Multidão se reúne em Roma por renúncia de Berlusconi

Milhares comemoram fim da era Berlusconi em frente das sedes do Parlamento e da presidência; houve até coral entoando 'Aleluia' de Handel

iG São Paulo |

AP
Primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, deixa Palácio Quirinale depois de entregar sua renúncia ao presidente Giorgio Napolitano em Roma
Milhares se reuniram neste sábado na frente das sedes do Parlamento e da presidência, ambas em Roma, para comemorar a renúncia do primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi , depois que a Câmara Baixa aprovou medidas de austeridade reivindicadas pela União Europeia (UE). Com 75 anos, Berlusconi apresentou sua renúncia às 21h50 locais (18h50 de Brasília) ao presidente Giorgio Napolitano.

Leia também: Berlusconi renuncia e põe fim à era marcada por escândalos

Saiba mais: Marcado por corrupção e escândalos sexuais, Berlusconi caiu pela economia

Berlusconi chegou ao Palácio Quirinale, sede da presidência, em meio a um comboio de carros oficiais e foi recebido sob vaias por uma multidão que gritava "palhaço" e erguia cartazes que diziam "Bye, bye, Berlusconi". Pouco antes, o magnata havia dito a um grupo de jornalistas que ficou sentido pelas vaias que recebeu após a votação do Parlamento neste sábado. "Foi algo que me doeu profundamente", afirmou.

Antes de sua chegada, um coral de 'Aleluia', de Handel, apresentado por dezenas de cantores e músicos clássicos, postou-se em frente do palácio enquanto italianos e turistas se reuniam em Roma à espera do fim do reinado marcado por escândalos .

Também em frente ao Palácio Chigi, sede do governo, e do Montecitorio, a sede do Parlamento, estiveram presentes pessoas de todas as idades, muitas delas vestidas de violeta, a cor da oposição independente, que combate há anos o governo de direita. "Que não volte nunca mais!", gritava uma mulher.

Entre a multidão era possível visualizar cartazes que traziam mensagens como: "Graças, Giorgio", dedicado ao presidente Giorgio Napolitano, e "Finalmente!", em relação à renúncia de Berlusconi. Gritos de "Demissões, demissões" também eram direcionados à classe política em geral.

Entre as pessoas concentradas, uma em específico roubava a cena. Trata-se de Anarella, uma senhora de 85 anos que virou assunto na Itália por ter enfrentado o ministro e líder da Liga Norte, Umberto Bossi, na televisão.

Descontraída, Anarella queria oferecer um charuto para Umberto Bossi, "o último que fumará como ministro", além de ter prometido se embriagar publicamente caso Silvio Berlusconi não declarasse sua renúncia. 

*Com EFE e AFP

    Leia tudo sobre: renúncia de berlusconiitáliaberlusconicrise

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG