Mulheres agricultoras são chave para reduzir pobreza--estudo

BRUXELAS (Reuters) - A União Europeia e outros grandes doadores devem aumentar a ajuda a pequenas propriedades rurais comandadas por mulheres em países em desenvolvimento se quiserem atingir a meta de cortar pela metade a fome até 2015, disseram os ativistas da campanha ActionAid na quarta-feira. Os pequenos produtores rurais -- cuja maioria é formada por mulheres -- produzem cerca da metade da produção de comida do mundo e 90 por cento de toda a comida cultivada na África, disse a ActionAid em seu estudo Fertile Ground.

Reuters |

A ajuda a agricultores deveria aumentar para 40 bilhões de dólares anualmente, disse o estudo, no mesmo dia em que a Comissão Europeia afirmou que tomaria providências para cobrar os países da União Europeia a cumprir suas metas em donativos.

Os doadores dizem que somente 3,6 por cento de suas doações vão para a atividade agrícola e somente 10 por cento disso acaba com as mulheres que trabalham no campo, disse a ActionAid.

De acordo com as Metas do Milênio, os 192 países da Organização das Nações Unidas (ONU) se comprometeram a cortar a fome no planeta pela metade até 2015, entre outros objetivos.

Apesar disso, um executivo da UE disse que o número de pessoas passando fome no mundo aumentou nos últimos anos, para mais de 1 bilhão de pessoas.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG