Mulher que teria matado cinco maridos é presa nos EUA

Washington, 16 jul (EFE) - Betty Johnson Neumar, uma doce senhora de cabelos prateados, foi presa aos 76 anos nos Estados Unidos, suspeita de ter assassinado cinco maridos para poder receber o dinheiro do seguro de vida desses. A Polícia acredita que o dinheiro foi o motivo para Betty começar sua vida de crimes nos anos 50, segundo a imprensa local. Enquanto espera ser julgada, a mulher está atualmente em uma prisão da Carolina do Norte, acusada de ter contratado um homem para assassinar o quarto marido, Harold Gentry, graças à perseverança do irmão do falecido. Isto levou as autoridades a reabrir velhos arquivos para voltar a analisar as estranhas circunstâncias nas quais morreram os outros maridos. As mortes eram consideradas casuais: dois tiroteios, um suposto suicídio e um envenenamento. Johnson, nascida em 1931 em Ironton (Ohio), se formou em 1949 e se casou aos 18 anos com Clarence Malone, de 19, em novembro de 1950. Um ano depois, declarou em um tribunal que era maltratada pelo marido, mas, apesar de tudo, tiveram um filho, Gary, em 1952 e, finalmente, se separaram. Malone morreu em novembro de 1970 na parte de trás da loja na qual trabalhava em um pequeno povoado ao sudeste de Cleveland e a Polícia arquivou o caso como um homicídio, apesar de não terem sido encontrados indícios de roubo. Após se separar de Malone, Betty se casou com James A. Flynn, que apareceu morto em um barco em Nova York em meados dos anos 50.

EFE |

Em 1960, ela conheceu o terceiro marido, Richard Sil, que foi encontrado morto em 1965 no apartamento com um tiro.

O caso foi considerado suicídio, mas agora a Polícia voltou a investigar o acontecido.

Três anos depois, a suposta "viúva negra" se casou com Gentry e, cinco anos mais tarde, voltou a contrair núpcias com o que foi seu último marido, John Neumar, que morreu em outubro supostamente por uma infecção bacteriana.

Os investigadores estão voltando a analisar os restos mortais de Neumar para ver se existe "qualquer outro fator" que tenha contribuído à sua morte, como arsênico.

A conclusão dos agentes é que os assassinatos dos cinco maridos de Betty foram ordenados ou executados por ela.

Enquanto isso, ela foi recebendo milhares de dólares dos seguros de vida que fazia no nome dos maridos. EFE elv/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG