Mulher é retirada viva de escombros em Sumatra

Uma mulher foi retirada viva dos escombros de uma escola em Padang, no Sumatra, nesta sexta-feira, dois dias depois de a região ter sido atingida por um terremoto de 7,6 graus na escala Richter. As equipes de resgate, no entanto, afirmam que as esperanças de se encontrar mais sobreviventes são cada vez menores.

BBC Brasil |

Acredita-se que muitas pessoas ainda estejam presas sob os escombros.

O número de mortos por causa do tremor já passou de 1.100, segundo a ONU, e a expectativa é de que aumente nos próximos dias.

Nesta sexta-feira, a ministra da Saúde indonésia, Siti Fadilah Supari, apelou à comunidade internacional para ajudar nos esforços de resgate.

O epicentro do terremoto foi no fundo do mar, a noroeste da cidade de Padang, capital da província de Sumatra Ocidental, onde vários edifícios foram destruídos.

Durante a noite, equipes de resgate usaram iluminação especial e escavadeiras nas buscas por estudantes presos embaixo de uma escola de três andares, que caiu durante o terremoto.

Segundo o jornal Jakarta Post, havia 60 crianças na escola quando o prédio caiu.

A polícia informou que nove crianças foram encontradas com vida, mas que outros oito corpos foram puxados de sob os escombros.

Parte do principal hospital de Padang também ruiu, e um necrotério foi improvisado ao ar livre para receber os corpos das vítimas.

Nos arredores, várias operações cirúrgicas eram realizadas me barracas. "Já fizemos centenas de operações desde o terremoto", disse o médico Nofli Ichlas.

"Alguns com ossos quebrados, outros com membros totalmente amputados. Crânios fraturados e traumas abdominais também."
O presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono viajou para a região ao chegar do encontro do G20 na quinta-feira, e passou a noite ajudando a organizar os esforços de resgate.

Difícil acesso
O principal aeroporto de Sumatra foi reaberto e suprimentos de ajuda e equipes de resgate já estão chegando à região.

Yenni Suriyani, de um serviço de ajuda católico, disse à BBC que sua organização já tem uma equipe na área e que espera enviar mais especialistas em resgate para a região no fim de semana.

"Eles viram muita gente presa sob os escombros, e muitos escombros de edifícios que caíram, como escolas e prédios de escritórios", disse ela.

"Não podemos chegar a todas as regiões porque em algumas áreas o acesso ainda é difícil."
O ministro do Exterior australiano, Stephen Smith, disse que até 100 australianos permanecem desaparecidos depois do tremor, mas que não há provas de que eles estejam mortos ou feridos.

Padang é um destino popular entre surfistas.

A Austrália está enviando ajuda e uma equipe de resgate, além de 10 especialistas em engenharia. Outros países - entre eles a Coreia do Sul, o Reino Unido e o Japão - também enviaram ajuda.

O presidente americano Barack Obama, que passou parte de sua infância na Indonésia, também prometeu ajuda.

O principal tremor atingiu a região às 17h16, de quarta-feira, hora local, a 85 quilômetros de profundidade, no solo do mar, disse a US Geological Survey.

Um segundo tremor de 6,8 na escala Richter atingiu a região às 08h52 (hora local) na quinta-feira, mas não houve notícia de vítimas ou danos.

A ilha de Sumatra fica perto da falha geológica que provocou o tsunami que matou mais de 230 mil pessoas em 2004 em 12 países da Ásia.

Há muito tempo geólogos vêm alertando que Padang - uma cidade de 900 mil pessoas - poderia ser totalmente destruída por um terremoto por causa de sua localização.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG