Mulher do presidente da Samsung depõe em caso de corrupção

Seul, 2 abr (EFE).- O procurador independente que investiga um caso de corrupção no grupo empresarial sul-coreano Samsung tomou hoje o depoimento de Hong Ra-hee, mulher do presidente do conglomerado, Lee Kun-hee, para tentar descobrir se ela adquiriu obras de arte com fundos desviados da empresa.

EFE |

Hong, de 63 anos e diretora do Museu Leeum do grupo Samsung, é suspeita de ter usado fundos da empresa para comprar várias obras de arte no exterior.

Segundo o ex-assessor jurídico da Samsung, Kim Yong-chul, que denunciou a corrupção na empresa no final de 2007, Hong comprou entre 2002 e 2003 várias obras de arte através de galerias sul-coreanas.

Desde janeiro a Samsung está submetida a uma investigação especial, sob suspeita de ter reunido fundos de cerca de US$ 210 milhões para subornar políticos, fiscais e jornalistas com o objetivo de facilitar a transferência do controle da empresa do atual presidente para seu filho, Lee Jae-yong.

A companhia nega as acusações, mas os investigadores do caso já chamaram Lee Jae-yong para depor e revistaram a sede central da Samsung e a residência do presidente.

O Grupo Samsung representa mais de 20% das exportações totais sul-coreanas e conta com 58 filiais, entre as quais se destacam a Samsung Electronics, maior fabricante mundial de chips, e a Samsung Heavy Industries, o segundo maior estaleiro do mundo. EFE ce/ev/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG