Mugabe recebe delegação de alto nível da UE pela primeira vez em sete anos

O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, disse neste sábado que as primeiras conversações de alto nível com representantes da União Europeia (UE) em sete anos correram bem. Depois de receber uma delegação do bloco na capital do país, Harare, Mugabe voltou a pedir a suspensão das sanções internacionais impostas desde 2002.

BBC Brasil |

O presidente do Zimbábue disse que não é o responsável pelos problemas do país, e que eles são causados pelas sanções e pelos governos ocidentais.

Os representantes da UE também saudaram o encontro com o presidente, mas indicaram que ainda não é apropriado acabar com as sanções. A equipe europeia reclamou de violações dos direitos humanos e de lentidão na implementação de reformas e de um acordo de compartilhar o poder com a oposição, assinado há cerca de um ano.

A delegação da UE também vai se encontrar com o primeiro-ministro do Zimbábue, Morgan Tsvangirai, do MDC (Movimento para Mudança Democrática).

O chefe da delegação, o comissário para Desenvolvimento e Ajuda Humanitária, Karel De Gucht, disse que espera que o presidente perceba que há necessidade de "maior entendimento entre as três principais figuras no país - ele mesmo, o primeiro-ministro e o vice-primeiro-ministro".

Sanções
Depois de conturbadas eleições presidenciais no Zimbábue em 2002, a União Europeia proibiu a venda de armas ao país, congelou todo o apoio financeiro (exceto humanitário) e proibiu que Mugabe e alguns de seus aliados pisem em solo europeu. Apesar disso, o presidente do Zimbábue foi autorizado a ir a Lisboa para a Cúpula UE-África em dezembro de 2007.

Os Estados Unidos proibiram transações comerciais de empresas americanas com 250 cidadãos e 17 empresas do Zimbábue, e Canadá, Austrália e Grã-Bretanha adotaram medidas punitivas extras contra o regime de Mugabe.

Em um discurso na sexta-feira, Mugabe criticou as medidas e acusou os brancos de desejarem "enfiar o nariz deles em nossos assuntos".

"Nós permanecemos firmes. (...) Sanções ou não, o Zimbábue continua sendo nosso", disse o presidente em uma reunião com a ala jovem de seu partido, Zanu-PF.

O líder da oposição, Morgan Tsvangirai, quer que a suspensão das sanções seja condicionada ao cumprimento do acordo para um governo conjunto. Na semana passada, contudo, líderes da SADC (Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral) rejeitaram essa proposta.

O presidente da África do Sul, Jacob Zuma, que criticou Mugabe no passado, contrariou as expectativas de apoiar Tsvangirai e disse que a suspensão de sanções deve ser incondicional.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG