Mugabe proíbe passeata no Zimbábue e cancela participação na cúpula africana

O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, proibiu nesta sexta-feira manifestações e mobilizou a polícia de choque nas ruas de Harare, ao mesmo tempo em que suspendeu sua participação numa reunião de cúpula para discutir a crise em seu país, 13 dias após as eleições presidenciais.

AFP |

A rádio estatal anunciou que Mugabe não assistirá à cúpula extraordinária dos dirigentes da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) neste sábado em Lusaka sobre a crise em seu país, e será representando por quatro ministros.

O Movimento pela Mudança Democrática (MDC) do opositor Morgan Tsvangirai, que proclamou vitória nas eleições presidenciais e legislativas de 29 de março, reagiu convocando uma greve geral para a próxima terça-feira.

"A partir de terça-feira vamos ficar todos em casa, até que os resultados das eleições presidenciais sejam anunciados", avisou o partido.

Ante cada vez mais ameaças e intimidações governamentais nas regiões rurais, onde a maioria apóia Mugabe, o porta-voz do departamento de Estado americano, Sean McCormack, pediu o fim da "violência e da intimidação" contra os que querem expressar seus direitos políticos.

McCormack afirmou que Washington também conversou com os líderes que vão participar da cúpula de Lusaka e pediu que pressionassem Mugabe a favor "da democracia no Zimbábue".

O líder do MDC pediu que Mugabe, de 84 anos, "reconheça que logo que perdeu a eleições".

O Zimbábue vive uma situação instável desde o pleito de 29 de março que, até hoje, não teve os resultados oficiais divulgados.

bur-chp/cl

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG