MSF: Congo e Somália lideram relação de crises humanitárias menos atendidas

Madri, 15 jan (EFE).- O Congo e Somália lideram a relação de países com crises humanitárias menos atendidas e mais esquecidas durante os últimos dez anos, informa a organização Médicos sem Fronteiras (MSF).

EFE |

O relatório anual dos Médicos sem Fronteiras, apresentado hoje em Madri, inclui também Iraque, Sudão, Etiópia, Paquistão, Mianmar e Zimbábue.

O relatório "As dez crise humanitárias mais desatendidas de 2008" destaca a situação que é encontrada no Congo, onde a maior força da ONU não conseguiu impedir o conflito.

Um confronto, que desde 1998 já deixou quase 5,5 milhões de mortos, o que representa - segundo os Médicos sem Fronteiras - mais mortos que "todas as vítimas das guerras do Vietnã, do Iraque, do Afeganistão e do conflito palestino".

"A missão de paz mais importante do mundo, com 17.000 soldados, não consegue melhorar a situação, especialmente dramática no leste do Congo", explicou Pablo Marco, coordenador de emergência neste país, no qual um milhão de pessoas abandonaram suas casas, mais de cem mil no último mês.

O relatório denuncia as grandes dificuldades para desenvolver projetos humanitários em países como Somália, onde mais de 80% da população não tem acesso à saúde, uma em cada 5 crianças morre antes de completar cinco anos e mais de 250.000 pessoas são deslocadas.

"Por trás desta lista há milhões de pessoas com grandes necessidades e cujo sofrimento é ignorado", declarou a presidente da MSF Espanha, Paula Farias, que afirma que a resposta a estas "crises de grande magnitude" deve ser dada por toda a comunidade internacional.

O relatório denuncia o pouco compromisso na luta contra a desnutrição, a causa da morte de 5 milhões de crianças a cada ano.

EFE arv/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG