MPLA deve ter vitória esmagadora nas eleições de Angola

Mais da metade dos votos foram contados nas primeiras eleições de Angola em 16 anos e há indicações de que o partido do governo, MPLA (Movimento Popular pela Libertação de Angola) pode ter uma vitória esmagadora. A Comissão Nacional Eleitoral disse neste domingo que o MPLA obteve mais de 80% dos votos apurados nas eleições para a Assembléia Nacional, e o principal partido da oposição, Unita (União Nacional para a Independência Total de Angola), obteve cerca de 10% até agora.

BBC Brasil |

A vitória do MPLA não causa surpresa. O partido detém um controle quase absoluto da mídia, e se apresenta como responsável por seis anos de paz no país e pelo crescimento econômico alimentado pelo petróleo.

Mas a margem de vitória parece significativa, até em redutos históricos da Unita.

Desorganização
O partido oposicionista disse que não está satisfeito com as condições em que foi realizada a votação na capital, Luanda, onde as seções eleitorais foram abertas por um segundo dia, sábado, por causa do caos criado pela desorganização.

Depois de perder as últimas eleições, em 1992, a Unita retomou a guerra civil no país, mas um porta-voz do partido destacou que, desta vez, qualquer divergência será tratada de maneira pacífica.

O MPLA, que governa Angola desde sua independência, em 1975, chamou a Unita de "mau perdedor".

O líder da Unita, Isaías Samakuva, disse que os resultados podem não refletir totalmente a vontade do povo angolano, mas elogiou a eleição por ser um passo importante na consolidação da frágil democracia de Angola.

Para o presidente José Eduardo dos Santos, há quase 30 anos no poder, e para o MPLA, o desafio agora será garantir que mais angolanos se beneficiem do extraordinário crescimento econômico do país. Apesar da exportação de pertróleo, a maioria dos angolanos ainda vive na pobreza.

Os resultados desta eleição devem ser divulgados em, no máximo, 15 dias. O pleito está sendo encarado como um "ensaio" para as eleições presidenciais, previstas para 2009.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG