Motorista subornado teria facilitado acesso a Palácio de Buckingham, diz jornal.

O Palácio de Buckingham suspendeu um motorista depois que dois repórteres de um tablóide britânico alegaram ter conseguido entrar na residência da Rainha Elizabeth 2ª e sentar-se dentro da limusine usada pela monarca. Uma porta-voz do palácio disse à BBC que será aberta uma investigação sobre alegações de que Brian Sirjusingh recebeu um suborno de mil libras esterlinas (o equivalente a cerca de R$ 3,2 mil) para levá-los para uma turnê.

BBC Brasil |

Os dois repórteres do jornal News of the World teriam sido levados para o interior do prédio sem apresentar documentos ou passar por uma revista de segurança.

O repórter da BBC que cobre o Palácio de Buckingham, Peter Hunt, disse que, aparentemente, Sirjusingh era um motorista de reserva da família real, chamado apenas quando os profissionais destacados exclusivamente para a função não estavam disponíveis.

Garagem real
A edição deste domingo do jornal The News of the World noticia que os dois jornalistas se apresentaram como empresários do Oriente Médio e foram levados para áreas consideradas de segurança na residência da rainha.

De acordo com a publicação, eles passaram direto por um posto de identificação da polícia onde havia uma placa pedindo a apresentação de documento de identificação e dalí, para a garagem real.

No local, Sirjusingh mostrou-lhes vários veículos usados por membros da família real e um dos repórteres foi autorizado a sentar-se no interior de um carro da marca Bentley usado para transportar a rainha em solenidades oficiais, disse o News of the World.

Um porta-voz da Scotland Yard disse: "Naturalmente nós estamos preocupados com as questões levantadas por esta reportagem e estamos em contato com representantes do palácio para falar sobre os procedimentos do pessoal de segurança."
O editor do jornal para assuntos da realeza, Robert Jobson, disse à BBC que o palácio deveria ter aprendido lições de casos anteriores de violação da segurança.

"Eles deveriam ter passado por um processo de identificação quando entraram mas não aconteceu e, portanto, poderia facilmente se tratar de um terrorista que entrasse no palácio e plantasse uma bomba no carro ao invés de o News of the World expor a segurança precária do palácio."
Foram registrados nos últimos anos vários casos de violação da segurança da família real britânica.

Em 2003, um jornalista do tablóide Daily Mirror passou dois meses trabalhando no palácio sem revelar que tinha a intenção de fazer uma reportagem.

Ele usou referências falsas para conseguir o emprego apesar da segurança reforçada por causa de uma visita, na época, do presidente americano George W. Bush.

No mesmo ano, durante a festa de aniversário do príncipe William no Castelo de Windsor, um comediante entrou de penetra e apareceu várias vezes diante das câmeras do circuito fechado de TV sem ser detido.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG