Motim na maior prisão do Líbano termina após negociação com presos

Beirute - O motim na prisão de Rumieh, a maior do Líbano, terminou na madrugada de hoje após horas de negociações entre os presos e uma delegação liderada pelo chefe da Polícia libanesa, Achraf Rifi, informou a imprensa local.

EFE |

Após as conversas, os internos entregaram os sete funcionários que mantinham retidos e Rifi se comprometeu a estudar suas reivindicações, entre elas a redução das penas, um melhor tratamento e a melhora das instalações penitenciárias.

Entre os amotinados se encontravam membros do grupo islamita Fatah al-Islam, que protagonizou um duro enfrentamento no ano passado com o Exército em um campo de refugiados palestinos no norte do Líbano.

Aparentemente, o motim começou após um confronto envolvendo um prisioneiro e um guarda da prisão, que acabou desembocando em uma rebelião na qual os internos quebraram parte da mobília do centro e queimaram alguns de seus pertences.

Esta não é a primeira revolta destas características neste centro penitenciário, onde o número de internos sofreu um grande aumento desde o ano passado.

A prisão de Rumieh, construída em 1971 para abrigar cerca de 1.500 presos, conta atualmente com mais de 4.000.

Leia mais sobre: Líbano

    Leia tudo sobre: líbano

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG