Mostra suíça traz história de fotos adulteradas

Uma exposição no Museu da Comunicação de Berna, na Suíça, mostra como a imprensa e governos totalitários adulteraram fotos para manipular a opinião pública. Uma foto vale mais que mil palavras - mas às vezes ela também pode mentir e mostrar uma realidade falsa, como deixa claro a exposição Imagens que Mentem na cidade de Berna, na Suíça.

BBC Brasil |

A mostra explica como meios de imprensa e regimes totalitários usaram a força das imagens através dos tempos para manipular a opinião pública e muitas vezes criar um clima sensacionalista.

São mais de 300 fotos que foram publicadas nos últimos cem anos. Muitas delas mostram celebridades em poses inventadas, como a princesa Stefanie de Mônaco que aparece com diversos bebês diferentes em capas de revista.

Outro exemplo é a foto da princesa Diana com seu amante Dodi em um barco. A foto no jornal Daily Mirror insinua que eles estavam quase se beijando, enquanto a imagem original os mostra somente conversando.

O acervo também inclui a famosa imagem do líder soviético Lênin com dois de seus companheiros, Kamenev e Trotski, que mais tarde foram removidos da fotografia por terem se tornado seus adversários.

Segundo os organizadores da mostra, há três tipos de manipulação: a mudança da foto em si, um texto insinuando uma situação diversa da fotografia ou o corte de parte da foto para mostrar só um ângulo específico.

Isso é mostrado com o exemplo de uma foto de dois soldados americanos ajudando um iraquiano: Sua parte esquerda, isolada, dá a impressão que o americano aponta uma arma para a cabeça do iraquiano.

A exposição em Berna também mostra como cenas de TV podem ser adulteradas. Visitantes podem ver em cabines de vídeo os takes originais e falsificados.

    Leia tudo sobre: fotografia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG