Mortos por terremoto na Itália são 207, diz Berlusconi

Por Deepa Bagington e Antonella Cinelli LÁQUILA, Itália (Reuters) - O número de mortos no pior terremoto em três décadas na Itália subiu a 207, disse o primeiro-ministro Silvio Berlusconi na terça-feira.

Reuters |

Ele afirmou que 17 dos mortos ainda não foram identificados e que 100 dentre os feridos se encontram em estado grave.

Equipes de resgate usavam escavadeiras e as próprias mãos em na busca por sobreviventes. Mais de 24 horas depois de que o tremor sacudiu a região de Abruzzo, no centro da Itália, equipes de emergência retiraram dois estudantes na manhã de terça-feira dos escombros de prédios em L'Áquila, a cidade de montanhas medieval de 68 mil habitantes que foi a mais atingida pelo desastre.

Cerca de 100 pessoas foram retiradas dos escombros, mas com muitos ainda desaparecidos a defesa civil diz que as esperanças de encontrar mais alguém com vida diminui a cada hora.

Mais cedo na terça-feira, autoridades da defesa civil colocaram o número de mortos em 179. Havia pelo menos 34 pessoas desaparecidas e mais de 1.500 feridos. Elas disseram que o número de desabrigados era de pelo menos 17 mil, muito menor do que os 50 mil estimados na segunda-feira.

O terremoto, que registrou entre 5,8 graus e 6,3 graus na escala Richter, ocorreu pouco depois das 3h30 da manhã de segunda-feira (horário local), surpreendendo os moradores que dormiam em suas casas, derrubando igrejas antigas e outras edificações em 26 cidades.

Autoridades da defesa civil estimaram que dois terços das edificações ruíram em L'Áquila.

Alguns outros tremores foram registrados durante a noite na área, a cerca de 100 quilômetros a leste de Roma, enquanto as pessoas se abrigavam em seus carros ou em barracas.

"É um desastre sério. Agora nós devemos reconstruir e isso exigirá grandes quantias de dinheiro", disse o primeiro-ministro Silvio Berlusconi, cujo governo já enfrenta um alto déficit e uma grande dívida pública.

Berlusconi declarou emergência nacional e prometeu buscar centenas de milhares de euros do fundo de desastres da União Europeia.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG