Mortes pela gripe aumentam enquanto vírus se espalha pelo México

Alberto Cabezas. México, 9 mai (EFE).- A epidemia de gripe suína que atinge o México mantém a virulência, com novos casos praticamente em todo o país, 48 mortes confirmadas e 28 dos 32 estados afetados pela doença, admitiram hoje as autoridades sanitárias.

EFE |

O porta-voz do Ministério da Saúde mexicano, Carlos Olmos Tomasini, defendeu que as autoridades locais mantenham as precauções e os programas preventivos diante desta situação, com 1,578 mil pessoas infectadas - excluindo as vítimas fatais -, 259 a mais que na sexta-feira.

A capital mexicana e o estado de San Luis Potosí foram os lugares onde ocorreram as três mortes mais recentes, enquanto se investiga se Jalisco, um estado sem casos até três dias atrás, já registrou suas três primeiras mortes, à espera de comprovação.

O funcionário admitiu que prever a evolução que o vírus A (H1N1) terá em nível nacional nos próximos dias "não é fácil", por isso pediu que as autoridades dos 32 estados do México intensifiquem o cuidado.

O Distrito Federal foi o local com mais casos registrados desde o começo da epidemia, mas agora só tem 37 hospitalizados, após atender dezenas de milhares de pessoas todos os dias com sintomatologia respiratória leve.

O jornal "Reforma" informa hoje, com base nos dados do Ministério da Saúde, que, enquanto em 2 de maio estavam confirmados 184 casos de contágio por gripe suína em todo o México - sem incluir o Distrito Federal -, esse número disparava para 531 casos em 28 estados em 6 de maio.

Novos estados com contágios entre 2 e 6 de maio foram Zacatecas com 33 casos, Iucatã (17), Jalisco (26), Quintana Roo (11), Nuevo León (9), Morelos (27), Sonora e Nayarit (6 cada), entre outros.

O aumento no número de casos já foi registrado em pelo menos seis estados (Chihuahua, Guerrero, Hidalgo, Jalisco, Michoacán e San Luis Potosí), indica hoje o jornal "El Universal".

Os alunos de educação básica e primária voltariam às aulas em 11 de maio, mas os Governos de Jalisco, Guerrero, Hidalgo e San Luis Potosí informaram ontem sobre o adiamento do reinício das atividades escolares até 18 de maio, devido aos novos contágios detectados.

Em entrevista à Agência Efe, a epidemiologista Patricia Volkow, do Instituto Nacional de Cancerologia (Incan), qualificou o Governo federal de "muito corajoso" e "muito comprometido com a população", devido às medidas preventivas impulsionadas desde a declaração do alerta sanitário, em 23 de abril.

No entanto, reconheceu que, embora tenha diminuído a quantidade de contágios, ainda há "casos graves, gente que requer atendimento hospitalar e terapia intensiva".

"Acho que é importante continuar reforçando as medidas e não pensar 'isso já se resolveu e nada está acontecendo'. As pessoas querem sempre soluções fáceis e que lhe digam 'não está acontecendo nada'. Neste momento, é uma mensagem incorreta. Devemos seguir reforçando e nos cuidando", disse a especialista.

Acrescentou que o número de falecimentos até agora foi "muito grande", com um ritmo de mortes inicialmente "acelerado", que foi um reflexo de como a epidemia era "rápida e agressiva", com a maioria de mortes de adultos jovens (entre 20 e 39 anos).

Para Volkow, grande parte do problema vivido nas últimas semanas tem a ver com uma percepção generalizada errada dos que veem "como algo muito distante" e "pouco provável" as pandemias de gripe e de outras doenças que dizimaram a humanidade ao longo da história.

"Talvez o problema é que, na idade moderna, temos uma falsa ideia de que as epidemias estão controladas e não vivemos isso como uma ameaça cotidiana", acrescentou.

Até o momento, segundo números da OMS, o número de pessoas infectadas pela gripe subiu para 3,44 mil em 29 países.

Pela primeira vez desde que foi declarado o alerta sanitário, em 23 de abril, os Estados Unidos têm mais casos de infectados que o México (1,639 mil do primeiro frente a 1,364 mil do segundo, de acordo com a OMS).

Apesar do nome, a gripe suína não apresenta risco de infecção por ingestão de carne de porco e derivados. EFE act/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG