Morte de Ted Kennedy: as reações nos EUA e no mundo

A morte do senador americano Edward Kennedy gerou nesta quarta-feira uma série de reações nos EUA e no mundo:

AFP |

BARACK OBAMA: "Um capítulo importante de nossa história se fechou. Nosso país perdeu um grande líder que restaurou a chama de seus irmãos mortos para se tornar o maior senador americano de nosso tempo", declarou o presidente americano em um comunicado.

Mais tarde, em um discurso, ele homenageou "uma figura única na história americana", "um dos maiores senadores de nossa época", mas também "um dos americanos mais comprometidos a serviço de nossa democracia".

JOE BIDEN: O vice-presidente americano destacou que, "apesar de suas convicções muito profundas, Ted Kennedy nunca foi mesquinho, nunca foi pequeno, tornando maiores todos os que trabalharam com ele".

GEORGE BUSH FILHO: Ele era um homem de paixão que defendia ferozmente suas convicções. "Durante uma vida plena de provações, Ted Kennedy nunca se deixou levar pelo desespero. Ele conservou seu otimismo, seu senso de humor e a fé em seus concidadãos", disse o ex-presidente (2001-09).

GEORGE BUSH PAI: "Mesmo se não concordássemos em inúmeras questões políticas, eu sempre respeitei seu compromisso constante com o país", declarou o ex-presidente (1989-1993).

JIMMY CARTER: O ex-presidente americano (1977-81) que foi seu adversário na primária democrata de 1980 destacou a "enorme contribuição de Ted Kennedy, não somente pelas leis que ajudou a aprovar, mas por uma vida inteiramente dedicada à melhoria das condições de vidas dos que são pobres, privados de tudo, perseguidos, ignorados e necessitados".

NANCY REAGAN: "Apesar de nossas divergências políticas, as pessoas ficavam surpresas de ver a que ponto Ronnie (o ex-presidente Ronald Reagan) e até eu mesma éramos próximos da família Kennedy", declarou a ex-primeira-dama (1981-1989). "Mas Ronnie e Ted conseguiam sempre encontrar um campo de entendimento e tinham muito respeito um pelo outro".

JOHN MCCAIN: o senador republicano, candidato derrotado à presidência e amigo de Ted Kennedy, lembrou que "assim que nós concluíamos um discurso, ele nos abraçava mostrando que podíamos ter nossas diferenças politicamente, mas que pessoalmente poderíamos ser amigos e trabalhar juntos".

HILLARY CLINTON: "Ted Kennedy foi um de nossos melhores homens de Estado e um amigo muito caro", disse a secretária americana de Estado. "Quando cheguei ao Senado, ele se mostrou um mentor generoso e um colega atencioso", acrescentou.

BILL CLINTON: "Hillary e eu seremos sempre agradecidos a Ted Kennedy "por seus atos de gentileza e generosidade", indicou o ex-presidente americano.

ARNOLD SCHWARZENEGGER: "Tio Teddy era conhecido no mundo como o Leão do Senado, um campeão da justiça social e um ícone político. Sobretudo, ele era o pilar de nossa família", declarou o governador da Califórnia, que se casou com uma sobrinha do falecido senador.

BAN KI-MOON: "Ele foi a voz dos sem-voz, o defensor dos direitos e dos interesses dos sem-defesa", disse o chefe da ONU. "Os que pensam que o governo é sempre impessoal e desumano não conheciam o senador Kennedy".

GORDON BROWN: "O senador Edward Kennedy será chorado não somente na América, mas em todos os continentes. Ele é admirado no mundo como o senador dos senadores," declarou o primeiro-ministro britânico.

ANGELA MERKEL: "Com Ted Kennedy, a Alemanha e a Europa perderam um amigo de valor. Seu compromisso com a justiça e a paz era marcado por convicção e firmeza", escreveu a chanceler alemã.

BERNARD KOUCHNER: "Uma luz durante muito tempo vigorosa se apagou para todos os que aspiram a um mundo mais justo", declarou o ministro francês dos Assuntos Estrangeiros.

NELSON MANDELA: Ted Kennedy "fez ouvir sua voz na luta contra o apartheid em uma época em que o combate para a liberdade não era suficientemente apoiado nos países ocidentais", declarou o ex-presidente sul-africano.

VATICANO: O Osservatore Romano, o jornal do Vaticano, prestou homenagem ao senador, constantemente na primeira fila das batalhas, entre elas a de proteção dos imigrantes, do controle de armas de fogo, do salário mínimo, mas lamentou suas posições em favor do aborto.

bur/bar/lm/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG