terrível tragédia , afirma oficial encarregada de operação - Mundo - iG" /

Morte de Jean Charles é uma terrível tragédia , afirma oficial encarregada de operação

A morte do brasileiro Jean Charles de Menezes, mortalmente alvejado pela Polícia em 2005 depois de ter sido confundido com um terrorista foragido, é uma terrível tragédia, reconheceu nesta segunda-feira o oficial da Scotland Yard responsável pela operação.

AFP |

"É uma tragédia, uma tragédia horrível", declarou à beira das lágrimas Cressida Dick, depondo na presença da mãe de Jean Charles de Menezes em audiências públicas do inquérito sobre a morte do brasileiro de 27 anos.

Os policiais o mataram com sete tiros na cabeça no dia 22 de julho de 2005 no sul de Londres. Eles o haviam confundindo com Hussain Osman, um dos homens que tinham tentado sem sucesso detonar os explosivos que levavam consigo em uma tentativa de atentado no dia anterior.

O trágico erro ocorreu duas semanas depois de uma série de atentados suicidas na rede de transportes públicos da capital que haviam deixado 56 mortos.

"O senhor de Menezes foi vítima de circunstâncias terríveis e extraordinárias... Ele teve o azar de viver no mesmo bloco de apartamentos de Hussain Osman, teve o azar de ser muito parecido com Hussain Osman", declarou Dick.

A comissária disse que se sentiu "terrivelmente" mal quando tomou conhecimento do erro. "Penso nisso com freqüência, todo dia. Pergunto-me o que poderia ter feito diferente... Levantei-me da cama naquela manhã com a intenção de proteger os londrinos e salvar vidas humanas, e a última coisa que queria era ter um inocente morto. Mas foi o que aconteceu e lamento profundamente", disse.

A policial, entretanto, deu apoio a seus colegas: "se você me perguntar se acho que alguém fez algo de ruim ou insensato durante a operação, eu acho que não".

A mãe de Jean Charles, Maria Otone de Menezes, 63 anos, chorou muito ao ouvir o testemunho da policial, antes de deixar a sala de audiência instalada em um estádio de críquete de Stockwell, próxima ao local da morte do brasileiro.

O inquérito público não é um processo, mas visa simplesmente a determinar as circunstâncias da morte.

lv/et/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG