Morte de Eluana põe fim a longa briga na Justiça e a disputa política

Roma, 9 fev (EFE).- A italiana Eluana Englaro, de 38 anos, morreu hoje, às 20h10 locais (17h10 de Brasília), após 17 anos em estado vegetativo e uma longa briga na Justiça para que permitissem sua eutanásia.

EFE |

No momento de sua morte, o Senado debatia um projeto de lei com o qual o Governo pretendia evitar o desligamento dos aparelhos que ainda a mantinham com vida.

"Só quero ficar sozinho", disse Giuseppe Englaro, pai de Eluana, após ser informado sobre a morte de sua filha pelo anestesista Amato de Monte, encarregado da equipe de voluntários que comandou o caso até os últimos momentos.

Quando o Senado italiano discutia esta tarde o projeto de lei defendido pelo Governo de Silvio Berlusconi para impedir a morte de Eluana, o presidente da Câmara, Renato Schifani, foi informado da morte, e depois de comunicar o fato aos senadores, todos ficaram de pé fizeram um minuto de silêncio.

Schifani expressou depois sua solidariedade e proximidade com Giuseppe Englaro, e disse que "este é um momento de reflexão no qual todos, começando pelos políticos, devem refletir sobre o direito à vida e à morte".

No entanto, o vice-presidente do grupo conservador no Senado, Caetano Quagriello, tomou o microfone e disse que "Eluana não morreu, mas foi assassinada".

Já Ana Finnochiaro, porta-voz do Partido Democrata, reprovou os políticos que "continuavam transformando pela enésima vez a morte de Eluana em uma disputa política".

A Câmara dos Deputados também fez um minuto de silêncio pela morte de Eluana, que hoje completava o terceiro dia sem alimentos nem hidratação após sua morte assistida ter sido autorizada pela Justiça da Itália.

O porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, disse hoje que sua morte deixa uma "sombra de tristeza" e deve ser para todos "um motivo de reflexão", enquanto o cardeal Javier Lozano Barragán pediu que "Deus a receba e perdoe quem a levou deste mundo".

Berlusconi expressou seu profundo pesar pela morte de Eluana, e "lamentou que a ação do Governo não tenha sido suficiente para salvar sua vida".

Após expressar sua solidariedade com o pai, o ministro da Saúde italiano, Maurizio Sacconi, pediu ao Senado que aprove o projeto de lei "para que o sacrifício de Eluana não tenha sido inútil".

"Silêncio e solidariedade com a dor da família", pediu o Presidente da República, Giorgio Napolitano, que respaldou a decisão do Tribunal Supremo ao se negar a assinar o decreto do Governo para impedir a morte de Eluana.

Napolitano insistiu hoje em que "diante do epílogo de um longo e trágico fato, o silêncio deve abrir passagem para uma profunda solidariedade com a dor da família".

O neurologista da Universidade de Udine Gianluigi Gigli pediu a realização "imediata de análises toxicológicas e da autópsia, para conhecer a verdadeira causa da morte repentina de Eluana".

Gigli afirmou ainda que o histórico médico de Eluana deve ser confiscado, porque "este fim repentino, quando esta manhã os especialistas tinham definido que seu estado como estável, deixa todos perplexos".

O porta-voz dos senadores conservadores, Maurizio Gasparri, disse que a morte é "uma clara eutanásia", e que é preciso saber o que aconteceu na clínica La Quiete, em Udine, onde ela estava internada.

Fontes médicas asseguram que Eluana se sentiu mal de forma repentina, e seu neurologista, Carlo Alberto Defanti, afirmou que ela "teve uma crise respiratória cuja natureza será revelada pela autópsia, que já foi programada".

"Eluana começou a respirar mal, de maneira desconexa, até que deixou de respirar", explicou o neurologista.

Defanti disse à imprensa local que Eluana se encontrava em "ótimo estado físico, e que durante a primeira semana sem alimentação nem hidratação não deveria correr grandes riscos".

Com a morte de Eluana termina uma longa batalha judicial que começou logo depois de ela sofrer o acidente de trânsito, em 18 de maio de 1992, que a deixou por 17 anos em estado vegetativo. EFE cps/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG