Morte de Bin Laden pode 'mudar o jogo' da campanha militar no Afeganistão

Ataque terrorista contra prédios do governo estadual de Candahar, no sul do país asiático, deixa feridos neste sábado

iG São Paulo |

AFP
O secretário de Defesa americano, Robert Gates, em cerimônia de condecoração de militares (2/5/2011)
O secretário de Defesa americano, Robert Gates, estimou na sexta-feira que a morte de Osama bin Laden poderá "mudar o jogo" na campanha militar liderada pelos Estados Unidos no Afeganistão.

Em suas primeiras declarações públicas desde a morte do ex-líder da rede terrorista Al-Qaeda, Gates avaliou que ainda é muito cedo para se afirmar com certeza qual será o impacto na guerra no Afeganistão. Ele disse, no entanto, que, "em termos do impacto da morte de Osama bin Laden sobre a situação no Afeganistão, acredito que há uma possibilidade de mudança de jogo".

As declarações de Gates  foram feitas na base aérea Seymour Johnson, na Carolina do Norte. Para o chefe do Pentágono, a morte de Bin Laden pode agravar as tensões entre os rebeldes talebans (do mullah Omar) e a rede Al-Qaeda. 

"Bin Laden e o mullah Omar tinham uma relação pessoal muito estreita; e há gente entre os talebans que se sente traída pela Al-Qaeda, já que os ataques contra os Estados Unidos (no 11 de Setembro) deflagraram a campanha contra o Taleban no Afeganistão", destacou Gates. Ele disse acreditar que dentro de seis meses os EUA saberão os reflexos da morte do terrorista mais procurado do mundo na guerra do país do sul da Ásia.

Na sexta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, declarou que os EUA "decapitaram" a Al-Qaeda com a morte de Osama bin Laden e que acabarão por esmagar o grupo extremista. "Cortamos a sua cabeça e iremos por fim derrotá-los", afirmou Obama após um encontro com integrantes das forças especiais responsáveis pela operação que culminou com a morte de Bin Laden no dia 1º de maio no Paquistão.

No discurso, Obama agradeceu a ação dos militares americanos pela sua participação nas guerras do Afeganistão e Iraque e na operação que matou o líder da rede terrorista.

Ele lembrou que na quinta-feira, durante evento no Marco Zero (local onde ficam as Torres Gêmeas que desmoronaram no atentato), disse que os EUA nunca se esquecerão do 11 de Setembro. Segundo ele, os membros que participaram da operação que matou Bin Laden provaram isso. "Trabalho bem feito!", disse o líder dos EUA, afirmando que seu agradecimento era feito em nome de todos os americanos e de várias pessoas em todo o mundo.

A declaração foi feita durante pronunciamento à base militar de Fort Campbell, Kentucky, perante soldados que recentemente voltaram do Afeganistão, onde o combate e a busca pelo fim do impasse continuam apesar da morte do idealizador dos ataques que deixaram quase 3 mil mortos no 11 de Setembro de 2001.

Candahar

Neste sábado, no Afeganistão, ao menos quatro pessoas ficaram feridas no ataque de um grupo de insurgentes talebans a um prédio perto do escritório do governo estadual na conflituosa cidade de Candahar, no sul do Afeganistão.

De maneira simultânea, outro grupo de insurgentes atacou o prédio dos serviços de inteligência afegãos e um complexo policial nos arredores da cidade.

*Com AFP e EFE

    Leia tudo sobre: bin ladeneuaterrorismoafeganistãopaquistãogates

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG