Morre Serge Ravanel, líder da resistência francesa ao nazismo

Paris, 27 abr (EFE).- Morreu hoje, aos 88 anos, Serge Ravanel, um dos principais líderes da resistência francesa à invasão alemã durante a Segunda Guerra Mundial, após uma vida dedicada a testemunhar os valores dos combatentes contra o nazismo.

EFE |

Agraciado como Oficial da Legião de Honra e Companheiro da Libertação, ele descrevia "com detalhes precisos a formação da resistência francesa à invasão nazista", ressaltou ao informar sua morte a Associação para os Estudos da Resistência do Interior.

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, classificou-o como "grande patriota, de espírito livre e exigente" e ressaltou que, com sua morte, apaga-se "uma grande voz da Resistência".

Nascido em 12 de maio de 1920, Ravanel -nome de guerra de Serge Asher- uniu-se à resistência em abril de 1941, através de sua participação na revista proibida "Temps nouveaux" (Novos Tempos), antes de criar, oito meses depois, sua própria rede de combate ao nazismo.

Preso três vezes, Ravanel conseguiu escapar simulando doenças ou saltando pela janela e saltando no rio Ain.

Foi nomeado chefe nacional dos grupos francos, organização que conseguiu libertar o também resistente Raymond Aubrac, em um ataque em pleno centro de Lyon contra o camburão da Gestapo (Polícia nazista) que o transportava.

Em junho de 1944, foi promovido a chefe nacional das Forças francesas do Interior, com 20 mil soldados sob seu comando, chegando a coronel com apenas 24 anos.

Após libertar a região de Toulouse do domínio, nazista, Ravanel abandonou o Exército, em 1950, para se tornar engenheiro eletrônico, carreira que cursou antes da Segunda Guerra Mundial e com a qual criou diversas empresas.

Autor do romance "L'esprit de Résistance" (O Espírito da Resistência), Ravanel sempre deu prioridade "à honra, a entrega, a preocupação pelo interesse geral e a rejeição ao racismo". EFE inmg/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG