Morre presidente da Guiné-Bissau

Malam Bacai Sanhá, 64 anos, faleceu nesta segunda-feira em um hospital em Paris, anunciou a Presidência do país africano

iG São Paulo |

AP
Presidente Malam Bacai Sanhá durante uma sessão do Encontro da União Africana, em 30 de junho de 2011
O presidente da Guiné-Bissau morreu nesta segunda-feira em um hospital em Paris, na França, anunciou a Presidência do país em comunicado oficial. "Com dor e consternação, a Presidência comunica aos guineenses e à comunidade internacional o falecimento do presidente Malam Bacai Sanhá nesta manhã no hospital Val-de-Grâce, em Paris."

Leia também: Brasil lamenta morte do presidente da Guiné-Bissau

Malam Bacai Sanhá, 64 anos, foi eleito presidente da Guiné-Bissau em 2009, em substitução a João Bernardo Vieira, assassinado em 2008, em um golpe de Estado. A causa de sua morte não foi esclarecida até o momento, mas o presidente passou por tratamento médico na França e no Senegal durante seu tempo no gabinete.

À rádio nacional, uma autoridade da embaixada do país em Paris, Luis Mendes disse que Sanhá estava internado na França há "cerca de um mês", por conta de uma doença não especificada.

Segundo prevê a Constituição da Guiné-Bissau, a Presidência será assumida pelo titular da Assembleia Nacional, Raimundo Pereira, um advogado de 55 anos. Além da organização do funeral de Sanhá, Pereira deverá convocar eleições presidenciais em um prazo de 90 dias.

Desde a independência de Portugal em 1974, a nação tem sofrido golpes e se tornou uma das principais rotas do tráfico de cocaína para a Europa. Cerca de dois meses atrás, o Exército afirmou que uma autoridade do alto escalão tentou, sem sucesso, tomar o poder enquanto Sanhá estava doente.

Sanhá venceu a eleição presidencial de 2009, que representou uma transição pacífica de poder, o que é raro na história de Guiné-Bissau. Ele ficou mais conhecido por ter sido hospitalizado em outros países do que por seus feitos como presidente. Seus assessores sempre informavam à população que suas frequentes internações se deviam a exames de rotina.

Em agosto de 2009, ele passou cerca de três semanas hospitalizado em Dakar, capital do vizinho Senegal, onde o aparato médico é melhor que em Guiné-Bissau. Um observador veterano próximo à comitiva do presidente descreveu a doença como uma "diabete avançada" combinada com um problema na hemoglobina.

Sanhá começou sua carreira política como o chefe da juventude do Partido Africano pela Independência da Guiné e Cabo Verde, o PAIGC - o corpo que lutou pela independência do país de Portugal em 1974.

Ele se tornou um membro do comitê executivo do partido, e foi governador de uma província. Em 2009, depois da morte de Vieira, que foi morto com um tiro dentro de sua casa, Sanhá venceu as eleições, organizadas pelo chefe interino do Estado, Raimundo Pereira.

AP
Em foto de 25/08/2010, Malam Bacai Sanhá cumprimenta o então presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva em Brasília

As circunstâncias da morte de Vieira nunca foram completamente esclarecidas, mas muito especulam que seu assassinato estava relacionado a problemas com o tráfico de drogas.

Carlos Vamain, um analista político e ex-ministro da Justiça, classificou a presidência de Sanhá como difícil e complexa. "Difícil no contexto do narcotráfico e também dos problemas sócio-econômicos do país", disse Vamain. "Sua presidência não trouxe os resultados que as pessoas esperavam."

Com EFE e AP

    Leia tudo sobre: guiné-bissauáfricamortepresidentesanhá

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG