Morre Noordin Top, um dos extremistas mais procurados da Ásia

Noordin Mohammed Top, morto nesta quinta-feira durante uma operação antiterrorista realizada na Indonésia, era líder de um grupo terrorista próximo à Al-Qaeda e um dos extremistas islâmicos mais procurados do sudeste da Ásia.

AFP |

A morte de Mohammed Top, aos 41 anos de idade, encerrou uma longa perseguição realizada pelas autoridades indonésias desde o início desta década.

Malaio de nacionalidade, Noordin Top era considerado um dos estrategistas da onda de violência atribuída à Jemaah Islamiyah (JI), movimento muçulmano radical fundado nos anos 1990 com o objetivo de criar um Estado islâmico na Indonésia.

Ligado à Al-Qaeda, a JI é considerada responsável dos atentados sangrentos cometidos em Bali (202 mortos em 2002, 20 mortos em 2005) e Jacarta (12 mortos em 2003, 10 mortos em 2004).

Para cometer os ataques, a JI contou com a experiência em explosivos de Noordin Top, que estudou na Universidade Tecnológica da Malásia, antes de trabalhar como contador.

No dia seguinte aos atentados de Bali, Noordin Top conseguiu escapar das autoridades indonésias, que na época prenderam centenas de militantes e simpatizantes da JI.

Os especialistas consideram que ele se afastou da JI em 2004 para criar sua própria rede, apoiada em amigos, amigos de amigos, familiares e colegas. Esta organização flexível faz com que ela seja uma ampla rede de solidariedade na sociedade indonésia.

Várias vezes Noordin Top conseguiu escapar da prisão. Em 2003, ao lado de um de seus auxiliares, Azhari Husin, conseguiu fugir quando a polícia atacava um de seus esconderijos na região oeste de Java. Em outubro e novembro de 2005 e em 2008 conseguiu escapar quando estava sendo preso.

A polícia intensificou a busca por Mohhamed Top em julho passado, após os atentados suicidas em dois hotéis de Jacarta, que mataram sete pessoas.

Poucos dias depois, sua terceira esposa foi detida. Ela declarou à polícia que achava que o marido passava longas temporadas fora de casa porque tinha trabalho de publicitário em uma escola islâmica.

bur-jri-mc/lm/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG