Morre homem acusado de tiroteio em museu do Holocausto nos EUA

WASHINGTON (Reuters) - Um idoso acusado por um tiroteio em 2009 que matou um segurança do museu do Holocausto em Washington morreu nesta quarta-feira, disse uma porta-voz do escritório de prisões norte-americano. James Von Brunn, de 89 anos, ficou ferido no ataque de 10 de junho de 2009 quando guardas reagiram com tiros. Von Brunn tinha histórico de problemas de saúde, incluindo uma falha cardíaca crônica e septicemia. No entanto, a causa da morte não foi divulgada.

Reuters |

Von Brunn era mantido na ala médica do presídio federal Butner, na Carolina do Norte. Ele morreu em um hospital local para onde havia sido transferido, disse Felicia Ponce, porta-voz do Escritório Federal para Prisões.

Von Brunn foi acusado de homicídio pela morte do vigia Stephen Tyrone Johns, assim como pelo crime de ódio e posse de arma para o ataque.

Após o tiroteio, a polícia descobriu documentos antijudeus em seu carro.

O museu, um memorial aos seis milhões de judeus mortos pelos nazistas durante o Holocausto, fica perto do National Mall, onde muitos dos museus e monumentos de Washington estão localizados.

(Reportagem de Jeremy Pelofsky)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG