Mordida de tubarão branco chega a 1,8 tonelada, diz estudo

A mordida de um tubarão branco da espécie Carcharodon carcharias pode chegar a 1,8 tonelada - cerca de metade da força da mordida de um Tiranossauro rex, segundo um estudo de pesquisadores australianos. O estudo reconstruiu digitalmente a mandíbula do maior peixe predador ainda vivo - mitificado no filme Tubarão - utilizando a chamada de técnica de análise de elementos finitos, usada na construção de edifícios e de carros.

BBC Brasil |

Um Carcharodon carcharias de 2,4 metros e 240 quilos tem, relativamente a suas dimensões e sua massa corporal, uma das mordidas mais fortes do mundo, eles concluíram.

Com base nos cálculos, estimaram que um grande exemplar da mesma espécie - medindo 6,4 metros de comprimento e pesando 3,3 mil quilos - pode gerar uma força de até 1,8 tonelada com sua mordida.

Força 'real'
O coordenador da pesquisa, Stephen Wroe, da Universidade de New South Wales, em Sydney, disse que o comportamento dos predadores varia durante um ataque segundo o tipo e o tamanho das presas.

"Os modelos apresentados na pesquisa se limitam ao cálculo do comportamento mecânico em relação à elevação da mandíbula inferior", ressalvou, em um artigo publicado na revista científica Journal of Zoology, da Zoological Society of London.

"Alguns comportamentos observados, como o balanço lateral, podem incorporar outras forças geradas além da região do crânio, capazes de amplificar as medições registradas nos pontos de mordida de nossos modelos", explicou.

"Portanto, dependendo de como se define a força da mordida, é provável que a força total experimentada pela presa seja maior que aquelas estimadas aqui."
Segundo artigo, o ataque de um C. carcharias seria pouco diante da investida de seu ancestral Carcharodon megalodon, extinto há 1,5 milhão de anos e capaz de comer uma baleia.

Com 16 metros e quase 100 toneladas - supostamente o maior carnívoro entre todos os conhecidos -, a mordida de um C. megalodon variava entre cerca de 10.8 a 18.2 toneladas, estimaram os cientistas.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG