Moratinos assegura que relações com os EUA melhorarão com Obama ou McCain

Nova York, 20 set (EFE).- O ministro de Assuntos Exteriores espanhol, Miguel Ángel Moratinos, assegurou hoje que as relações entre Madri e Washington melhorarão independentemente de quem ganhar as próximas eleições presidenciais americanas, seja o democrata Barack Obama ou o republicano John McCain.

EFE |

"Serão relações muito melhores que as havidas até agora", disse Moratinos em Nova York, onde vai participar dos debates da Assembléia Geral da ONU que começam no dia 23 de setembro.

Moratinos respondeu assim a perguntas da imprensa sobre a recente polêmica suscitada pelas declarações do candidato presidencial, o senador republicano John McCain que esta semana evitou pronunciar-se sobre a possibilidade de se reunir na Casa Branca com o presidente do Governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, se ganhar as eleições do dia 4 de novembro nos EUA.

"A Espanha é um país fundamental para os Estados Unidos", disse o ministro de Exteriores espanhol, no referente a "intercâmbios de comércio, investimentos, luta antiterrorista, cooperação militar, Afeganistão, Oriente Médio e influência na América Latina".

Além disso, ressaltou que "não lhe preocupa" essa atitude de McCain, já que "é preciso deixar que passem as eleições... Quem vai ganhar vai ser o povo americano" em processo democrático.

Afirmou também que as relações de amizade entre Espanha e EUA são de "cooperação e lealdade, mas equilibradas e sem submissão.

Defendendo os interesses da Espanha nos Estados Unidos".

"O Governo espanhol defendeu com dignidade seus interesses nos Estados Unidos e no resto do mundo. Não houve reunião de alto nível porque não a quis o senhor Bush", acrescentou em referência a que o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush e Rodríguez Zapatero não se reuniram durante seus mandatos.

O chefe da diplomacia espanhola destacou que atualmente "as importações e os investimentos com os EUA são as melhores de toda a história" entre os dois países.

Moratinos reafirmou o compromisso da Espanha com as contribuições em favor do desenvolvimento e da consecução do objetivo de fornecer 0,7% do Produto Interno Bruto global para acabar com a pobreza no mundo. EFE emm-va/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG