Morales pede desculpas a Chile e Argentina por declarações sobre a direita

La Paz, 5 ago (EFE).- O presidente da Bolívia, Evo Morales, pediu desculpas hoje ao Chile e à Argentina por suas declarações sobre a possibilidade de a direita voltar a governar estes países, o que o Governo chileno classificou como uma ingerência em assuntos internos.

EFE |

"Em nenhum momento tentei interferir em assuntos internos nem políticos", declarou Morales em entrevista coletiva em La Paz, one lamentou o "mal-entendido" provocado por suas declarações.

Ontem, no lançamento do livro "La democracia traicionada" ("A Democracia Traída", em tradução livre), escrito por um de seus vice-ministros, Morales se disse preocupado com uma eventual volta da direita ao poder na América do Sul.

"O que aconteceria, e para isso devemos estar preparados, se a linha dos 'pinochetistas' no Chile vencer as eleições? Seria muito grave para a democracia sul-americana. O que aconteceria se a direita fascista voltasse à Argentina?", questionou.

O Governo do Chile reagiu classificando as declarações como "uma ingerência em assuntos internos".

"O Chile, uma democracia estável que se prepara para escolher seu novo presidente da República em eleições gerais, reconhecidamente limpas, rejeita a ingerência de qualquer Estado em seus assuntos internos, e, portanto, as declarações do chefe do Estado da Bolívia", escreveu a Chancelaria chilena num comunicado.

Após essa reação, Morales pediu desculpas publicamente tanto ao Chile como à Argentina pelo "mal-entendido". Ele disse ainda que, com essas declarações, só tentava explicar "as dificuldades enfrentadas pelo povo boliviano" com as ditaduras e com os Governos neoliberais.

"Quero, com muito respeito e com muita humildade, pedir desculpas ao povo irmão da Argentina e do Chile, a seus presidentas tão solidários com meu Governo e com o povo boliviano (...)", disse o governante boliviano.

O incidente com o Chile coincide com a chegada à Bolívia do novo cônsul de Santiago em La Paz, Ricardo Herrera, que desembarcou esta manhã na cidade. EFE sam/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG