La Paz, 30 nov (EFE) - O presidente da Bolívia, Evo Morales, pediu hoje a criação de uma Organização Mundial do Meio Ambiente à qual as entidades comerciais e financeiras sejam subordinadas, e que promova um desenvolvimento amigável com a natureza, informou hoje a agência estatal ABI.

Em carta dirigida à conferência da ONU para a Mudança Climática, que começa amanhã em Poznan, Polônia, Morales afirma que a "organização tem que contar com mecanismos efetivos de acompanhamento, verificação e sanção para fazer cumprir os presentes e futuros acordos".

Morales explica na carta que o modelo de desenvolvimento "amigável com a natureza" que ele propõe não só preservaria o meio ambiente, mas resolveria os graves problemas de pobreza do mundo.

O líder boliviano solicita ainda uma profunda transformação da Organização Mundial do Comércio (OMC), do Banco Mundial (BM), do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do sistema econômico internacional para garantir um "comércio justo".

"A humanidade é capaz de salvar o planeta se recuperar os princípios da solidariedade e a harmonia com a natureza, em contraposição ao império da concorrência, ao lucro e ao consumismo dos recursos naturais", assegura o presidente.

Morales pede aos países industrializados que cumpram estritamente os compromissos de redução de emissões de gases do efeito estufa adotados no Protocolo de Kioto.

"Não é aceitável que os países que poluíram historicamente o planeta falem de reduções maiores para o futuro, descumprindo seus compromissos presentes", diz.

A reunião de Poznan servirá de ponte em direção à conferência de Copenhague, Dinamarca, que em 2009 tentará conseguir um novo acordo mundial que substitua o Protocolo de Kioto de 1997, que deixará de estar em vigor em 2012. EFE az/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.