La Paz, 2 jul (EFE).- O presidente da Bolívia, Evo Morales, insistiu hoje em que pensa em criar um Ministério das Autonomias, uma proposta que já levantou há cinco meses sem que tenha havido avanço até o momento.

"Estou pensando seriamente em criar um Ministério das Autonomias para garantir uma autonomia plena e legal para todo o povo", disse Morales em Santa Cruz, reduto da oposição autonomista.

O presidente anunciou, em 2 de fevereiro, sua intenção de criar esse departamento, o que gerou críticas nos líderes opositores das quatro regiões em que ganhou a autonomia no referendo realizado em 2006.

"Dizer que sou inimigo das autonomias é falso. Mas sou inimigo da separação e da divisão da Bolívia", acrescentou o líder.

A Bolívia vive uma profunda crise política marcada pelo confronto entre o projeto de refundação constitucional promovido pelo presidente Morales e o processo autonomista iniciado em quatro departamentos governados pela oposição.

O Executivo não reconhece os referendos autonomistas nem os estatutos de autogoverno aprovados nestas consultas, porque os considera fruto de um processo ilegal e separatista que não cabe na atual ordem constitucional.

Embora Morales tenha se mostrado a favor de superar a organização centralista da Bolívia, destacou que o novo modelo territorial deve se basear em "uma autonomia legal e constitucional".

"Não é possível confundir autonomia com independência", disse o presidente, antes de destacar que vai "garantir uma verdadeira autonomia com a nova Constituição Política do Estado". EFE az/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.