Morales diz que, caso algo aconteça a ele, a culpa é dos EUA e da direita

LA PAZ - O presidente da Bolívia, Evo Morales, alertou hoje que, caso algo aconteça a ele ou ao vice-presidente do país, Álvaro García Linera, será culpa da embaixada dos Estados Unidos e da direita fascista de seu país.

EFE |

"Possivelmente tenho os dias contados. Que o povo boliviano saiba que se algo acontecer com Evo, com Álvaro, com os ministros, será obra da direita fascista que está se organizando com apoio da embaixada dos EUA", disse Morales.

O presidente boliviano deu estas declarações ao canal estatal de televisão desde o Palácio de Governo, onde completa seu quarto dia de greve de fome para pressionar os opositores a aprovarem uma lei que garanta a realização de eleições gerais em dezembro.

Morales disse que, primeiro, a oposição tentou "desgastar" sua administração, depois quis derrubá-lo com um golpe de Estado civil e agora, segundo ele, pretende acabar com sua vida.

O chefe de Estado acusou várias vezes os EUA e os grupos opositores bolivianos de tentar matá-lo em meio às diversas crises vividas pelo país, apesar de o Governo não apresentar provas relativas a isso.

Durante a entrevista, Morales conversou por telefone com seu colega da Venezuela, Hugo Chávez, o qual o encorajou a seguir adiante com sua luta política.

O presidente boliviano aproveitou para se referir às tentativas que a oligarquia de seu país estaria fazendo para derrubá-lo e comparou esta situação com a vivida na Venezuela há sete anos, quando Chávez sofreu um golpe de Estado.

Leia mais sobre Evo Morales

    Leia tudo sobre: evo morales

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG