LA PAZ (Reuters) - O presidente da Bolívia, Evo Morales, disse na quarta-feira que decidiu antecipar o diálogo com a oposição conservadora regional, para tentar tirar a Bolívia de uma violenta crise política que deixou pelo menos 15 mortos e grandes danos econômicos. O presidente afirmou que pretende que o diálogo comece na tarde de quarta-feira, em lugar de quinta-feira, como tinha sido acertado com o Conselho Nacional Democrático (Conalde), que reúne governadores e dirigentes cívicos dos Estados que se opõem aos planos socialistas de Morales.

'Quero convocar os governadores a partir desta tarde, quero vê-los às 4, 5 da tarde em Cochabamba', anunciou Morales em um ato no Palácio do Governo, revelando seu desejo de chegar a um acordo antes dos 30 dias de prazo estabelecidos no acerto preliminar.

Enquanto Morales fazia esta declaração, dirigentes regionais anunciavam a suspensão dos bloqueios de estradas e instalações públicas que trouxeram tensão ao país nas últimas semanas. No entanto, os camponeses partidários do governo mantêm os seus bloqueios.

(Por Eduardo García e Carlos Alberto Quiroga)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.