Tamanho do texto

La Paz, 20 dez (EFE).- O presidente da Bolívia, Evo Morales, criticou hoje os países africanos que aceitaram a resolução da cúpula da ONU sobre mudança climática (COP15), realizada em Copenhague, em troca de cheques de cooperação para seus países.

Durante um evento na região de Chuquisaca, Morales disse que a cúpula "fracassou", já que os países "capitalistas" não aceitaram mudar aquelas políticas de desenvolvimento que, segundo o líder, afetam o meio ambiente.

Além disso, criticou "alguns presidentes" africanos que buscam financiamento para atender as demandas internas em seus países "sem pensar no futuro das novas gerações".

"O grande problema é que alguns presidentes da África estão esperando seu 'chequezinho' dos EUA e de alguns países europeus. Eu lhes disse que todos os presidentes precisam de dinheiro para investir, mas, quando falamos de mudança climática, o que é mais importante, o dinheiro ou o clima?", perguntou.

Morales pediu que os países da África não se deixem "chantagear" com cooperação financeira para aceitar "este tipo de mudança climática profunda que vai afetar a humanidade".

"Felizmente, os países da África se dividiram. Antes, não havia esse debate, antes chegava o 'império' (EUA), fazia a proposta e aceitavam. Isso se quebrou em nível internacional", disse.

Morales disse que explicou a alguns presidentes africanos que a Bolívia melhorou seu nível de receita pública através da recuperação para o Estado da propriedade dos recursos naturais.

Expressou seu desejo de que os dirigentes sindicais bolivianos aprendam a falar inglês para "conscientizar" seus colegas de outros países a se mobilizar e nacionalizar seus recursos naturais.

O presidente boliviano reiterou sua proposta de realizar um referendo mundial sobre a mudança climática e antecipou que promoverá "uma grande mobilização internacional para defender o meio ambiente". EFE gb/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.