Assunção, 15 ago (EFE) - O presidente da Bolívia, Evo Morales, acusou hoje em Assunção de mentirosa a imprensa boliviana pelas notícias sobre o referendo realizado em 10 de agosto no qual foi ratificado em seu mandato.

Morales deu uma entrevista coletiva no hotel da capital paraguaia, após os atos de posse do novo presidente do Paraguai, o ex-bispo Fernando Lugo.

Além disso, o presidente boliviano confirmou que conversou em Assunção com as presidentas do Chile, Michelle Bachelet, e da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner.

"Venham de onde vierem, acusações, tergiversações dirigidas de fora ou venham de programas, políticas, impostas desde fora, não vão influir em nossos povos", disse Morales.

O chefe de Estado boliviano destacou que, além da "direita conservadora" do país, a principal derrotada nas urnas no domingo foi "a imprensa mentirosa".

"Se a imprensa falar bem de Evo Morales, vou ficar preocupado", ironizou.

Ele também disse que os Estados Unidos sempre se preocuparam com a ascensão dos Governos de esquerda na América Latina e sustentou que persiste a intromissão do Governo americano em conflitos como os "do Oriente Médio".

"Agora na Rússia, na América Latina, (os EUA intervêm) sob pretexto de luta contra o tráfico de drogas, contra o terrorismo".

"Acusam-me de terrorista, de assassino, de narcotraficante", disse. EFE rg/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.