La Paz, 10 mai (EFE).- O presidente Evo Morales chamou hoje de vulgar o chefe de Estado peruano, Alan García, por cometer o erro de asilar um ex-ministro boliviano acusado de ser um dos responsáveis por uma série de mortes em outubro de 2003, no Governo de Gonzalo Sánchez de Lozada.

"Ao companheiro vulgar Alan García, colega presidente quero dizer que não tem por que proteger os delinquentes no Estado peruano", disse Morales, que lembrou que um ministro do Peru lhe dirigiu há algum tempo esse mesmo adjetivo.

Morales aludiu assim a declarações do ministro da Educação peruano, José Chang, que chamou de "vulgar" o presidente boliviano no final do março passado.

Sánchez de Lozada (1993-1997 e 2002-2003) e vários dos ministros de seu segundo mandato são acusados de genocídio pelas 60 mortes ocorridas na repressão militar a uma série de protestos sociais na cidade de El Alto, em outubro de 2003.

Faltando uma semana para que comece na Bolívia o julgamento para determinar a responsabilidade pelas mortes do chamado "outubro negro", vários dos ex-ministros acusados se encontram fora do país.

Já no ano passado, as relações entre Peru e Bolívia estiveram marcadas pela tensão após vários atritos verbais entre os presidentes Alan García e Evo Morales.

Na ocasião, Morales chamou García de "gordo" e "pouco anti-imperialista". EFE sam/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.