Moradores de Nápoles continuam queimando montanhas de lixo acumuladas na rua

Roma, 19 mai (EFE).- A queima de lixo por parte dos moradores da cidade de Nápoles (sul da Itália) provocou, durante a última noite, cerca de 90 incêndios que tiveram de ser controlados pelos bombeiros, o que aumentou o risco de poluição ambiental na região.

EFE |

Perante o mau cheiro, a falta de higiene e a impossibilidade de passar pelas ruas de Nápoles, os vizinhos protestaram contra a proibição de queimar os resíduos e atearam fogo às porções de resíduos que se acumulam perante suas casas.

Também durante a noite, os cidadãos, em ato de protesto, acumularam os dejetos e montes de lixo no meio das estradas, bloqueando a circulação dos veículos.

Esta situação de crise é recorrente em Nápoles há 14 anos, devido à falta de lixões, e teve seu último pico no início deste ano, quando o antigo Governo de centro-esquerda de Romano Prodi enviou o Exército para tentar acabar com o problema.

O novo Governo do conservador Silvio Berlusconi realizará seu primeiro Conselho de Ministros no dia 21 em Nápoles, e na ordem do dia figura a questão da crise do lixo.

Segundo os meios de comunicação italianos, Berlusconi já tem pensado em enfrentar o problema propondo dez novas áreas onde se possa construir lixões, já que outro dos problemas é de que alguns dos vizinhos se opõem a que os lixões estejam perto de suas casas.

Além disso, Berlusconi indicará a necessidade de acelerar a construção de incineradoras de resíduos, assim como poderá chamar o Exército para que colabore nas tarefas de recolha e limpeza da área.

O presidente do Colégio de Médicos de Nápoles, Giuseppe Scalera, destacou ontem que a situação higiênica na região está "no limite", e logo pode se tornar "dramática".

Por sua parte, o prefeito de Nápoles, Alessandro Pansa, assegurou em entrevista publicada hoje no diário "La Stampa" que "a situação está sob controle e que não existe emergência alguma".

Pansa anunciou ainda que será retomado hoje o transporte do lixo por trem em direção a Alemanha, que permitirá desfazer-se diariamente de cerca de mil toneladas de dejetos, e que a cidade voltará a estar limpa em alguns dias. EFE ccg/fh/gs

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG