Moqtada al-Sadr pede readmissão de soldados que não lutaram contra milícia

Bagdá, 14 abr (EFE) - O clérigo xiita Moqtada al-Sadr exigiu hoje que o primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, retire a ordem de expulsão contra os agentes e soldados que se negaram a lutar contra as milícias fiéis ao clérigo nos choques registrados no final de março. Em comunicado divulgado hoje, o líder xiita afirma que esses (soldados) devem ser recompensados, e não expulsos de seus trabalhos, pois seguiram os mandamentos e deveres religiosos, pelo que, insistiu, é preciso premiar sua fidelidade, e não expulsá-los de seu serviço. As declarações do religioso foram feitas um dia depois que o Governo iraquiano decidiu expulsar mais de 1.300 membros da Polícia e do Exército, entre eles oficiais, por se recusarem a participar dos confrontos contra os milicianos fiéis a Sadr na província de Basra, 550 quilômetros ao sul de Bagdá.

EFE |

Em 25 de março, Maliki anunciou o lançamento de uma operação de segurança em Basra contra as pessoas e grupos que estavam "fora da lei".

No entanto, responsáveis da milícia denunciaram que a medida, que foi supervisionada por Maliki no terreno, tinha como objetivo acabar com o grupo. EFE ah/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG