Monti chega a acordo com partidos italianos para formar governo

Nova equipe de governo liderada por tecnocratas será anunciada na manhã de quarta-feira

iG São Paulo |

AFP
Monti é economista, conhecido por ser um negociador puro
O economista e ex-comissário europeu Mario Monti, 68, encarregado de formar o novo governo da Itália , chegou a um acordo com os principais partidos políticos italianos para constituir o próximo Executivo do país. Apenas um partido, a direitista Liga Norte, disse que não dará seu apoio.

Leia também: Monti é chamado por presidente da Itália para formar novo governo

Saiba mais: Berlusconi renuncia e põe fim à era marcada por escândalos

A informação foi divulgada nesta terça-feira pelo secretário da Confederação Italiana dos Sindicatos dos Trabalhadores (CISL), Raffaele Bonanni, depois de se reunir em Roma com Monti na última das duas jornadas de consultas realizadas pelo economista italiano com partidos e agentes sociais.

"Monti nos disse que alcançou um acordo com as principais forças políticas para ter uma consistente força parlamentar que o apoie. Em seguida, ele apresentará a lista de ministros", afirmou Bonanni em coletiva concedida após se reunir com Monti.

Monti está montando um governo liderado por tecnocratas, mas ainda precisará do apoio do Parlamento para conseguir implementar medidas de austeridade mais duras. A nova equipe de governo será anunciada na quarta-feira às 11 horas locais (8h de Brasília), um dia depois de Monti se reunir com representantes da indústria, sindicalistas e grupos juvenis e de mulheres.

Angelino Alfano, líder do centro-direitista Partido do Povo da Liberdade (PDL), do ex-premiê Silvio Berlusconi , disse achar que "os esforços do professor Monti estão destinados para um bom resultado". Já o líder do centro-esquerdista Partido Democrático (PD), Pier Luigi Bersani, disse que "encorajamos Monti a seguir adiante com determinação". "Não impusemos um prazo ao governo", disse.

Leia também: Marcado por corrupção e escândalos sexuais, Berlusconi caiu pela economia

O premiê designado disse que "agirá com urgência" para lidar com os graves problemas econômicos da Itália. Ele também tem a intenção de continuar no cargo até o fim da atual legislatura: 2013 .

Ele ainda não revelou detalhes da reforma econômica que deve tentar implementar. Monti foi indicado no domingo para o cargo, depois que medidas emergenciais de austeridade foram aprovadas no Parlamento, fazendo com que Berlusconi renunciasse .

*Com BBC e EFE

    Leia tudo sobre: renúncia de berlusconiitáliaberlusconicriseuezona do euromonti

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG