Homem de 29 anos pedia "vida longa ao Dalai Lama" enquanto seu corpo era queimado pelas chamas. É o segundo caso na região em 2011

Um monge tibetano morreu após atear fogo ao corpo na província chinesa de Sichuan, informou nesta terça-feira a agência oficial "Xinhua", no segundo incidente do tipo que ocorre neste ano na região, localizada na "fronteira" entre as comunidades da maioria étnica chinesa han e os tibetanos.

Tsongwon Norbu, um monge de 29 anos que fazia parte do mosteiro de Nyitso, no distrito de Dawu, ateou fogo em seu corpo nesta segunda-feira, informou o governo local.

Segundo um comunicado da organização Free Tibet, com sede em Londres, o monge bebeu gasolina e a espalhou pelo corpo e pela túnica para dar início à sua imolação, e antes de morrer gritava "Vida longa ao Dalai Lama" e outras palavras de ordem em referência ao líder religioso tibetano no exílio.

Em março, Rigzin Phuntsok, um monge tibetano de 16 anos, também morreu após atear fogo ao corpo na mesma província, em um incidente que coincidiu com o terceiro aniversário dos protestos contra o governo chinês ocorridas na região em 2008. O incidente deu início a semanas de fortes tensões entre as autoridades chinesas e o mosteiro de Kirti, ao qual o monge pertencia e onde outros religiosos foram levados a campos de reeducação por conta do episódio.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.