Momento exato da extradição de Ratko Mladic será secreto

Tribunal Penal Internacional para antiga Iugoslávia em Haia quer evitar distúrbios no momento da extradição

EFE |

A extradição do criminoso de guerra servo-bósnio Ratko Mladic poderia acontecer nas próximas 48 horas, mas o momento exato será mantido em segredo por razões de segurança. Segundo Rasim Ljakic, responsável da cooperação sérvia com o Tribunal Penal Internacional para antiga Iugoslávia (TPII) em Haia, a saída de Mladic só se tornará pública após acontecer, para evitar distúrbios.

De fato, a extradição para Haia poderia acontecer a partir desta segunda-feira, uma vez que a defesa apresente seu recurso e este seja rejeitado pela Justiça sérvia. Neste sentido, o juiz turco Mehmet Guney, atual presidente do TPII, assegurou que o ex-general servo-bósnio poderia chegar a Haia nos próximos dois dias. "Após revisões médicas e a conclusão de procedimentos administrativos e financeiros, Mladic será levado a Haia na segunda-feira ou na terça-feira", assegurou o juiz em declarações à agência turca "Anadolu".

Na opinião de Guney, o julgamento contra Mladic, que será conduzido por três juízes - um alemão, um holandês e um sul-africano - vai dura entre 18 e 24 meses. Por sua vez, Ljakic assegurou que a Sérvia não está ameaçada por uma desestabilização por causa da detenção do chamado "açougueiro dos Bálcãs", responsável por milhares de mortos civis na guerra da Bósnia (1992-1994).

O direitista Partido Radical Sérvio (SRS) convocou para esta tarde , no centro de Belgrado, uma manifestação de repúdio contra a detenção, que será pacífica, segundo os organizadores. A Polícia advertiu que está preparada para impedir qualquer tentativa de violação da ordem pública e desordens, com o desdobramento de 3 mil agentes de segurança.

Desta forma, quer evitar atos de violência como os ocorridos em julho de 2008 quando foi capturado outro grande criminoso de guerra, o ex-líder sérvio-bósnio Radovan Karadzic.

Mladic foi capturado na última quinta-feira em uma aldeia do norte da Sérvia, na casa de um primo, onde supostamente se escondia havia vários anos. A família do acusado denunciou seu mal estado da saúde e pede exames médicos detalhados antes de sua extradição.

Na tarde de sábado, e a pedido de Mladic, a conhecida neuropsiquiatra sérvia Slavuca Djukic Dejanovic, que exerce o cargo de presidente do Parlamento, o visitou na prisão. Slavuca se negou a revelar detalhes de sua conversa com Mladic, devido a seu compromisso com a ética médica.

Investigação

O presidente sérvio, Boris Tadic, disse na sexta-feira que a investigação sobre o ex-comandante do Exército servo-bósnio Ratko Mladic , detido na quinta-feira, será estendida a todos aqueles que podem tê-lo ajudado a escapar da prisão nos últimos 16 anos.

AP
Presidente da Sérvia, Boris Tadic, anuncia prisão de ex-comandante servo-bósnio Ratko Mladic durante coletiva em Belgrado (26/5/2011)
De acordo com a BBC, Tadic disse que qualquer um que tenha dado proteção ao criminoso de guerra poderá ser processado. Segundo ele, os investigadores buscarão pistas sobre qualquer tipo de ajuda dada a Mladic por membros da polícia ou das Forças Armadas sérvias ou outras redes de proteção.

O líder sérvio acrescentou também que o ex-general contou com apoio do que chamou de "pessoas dentro do sistema do Estado" ao longo dos anos. Mladic, segundo ele, contou com apoio considerável de alguns oficiais, que foi diminuindo depois da captura de Slobodan Milosevic , em 2000.

"Nos próximos dias, teremos um quadro completo do que aconteceu nos últimos dois anos e meio, e ainda mais, nos últimos 16 anos", disse Tadic. "E, para nós, isso será muito, muito importante".

Segundo Tadic, apesar de as investigações para chegar até Mladic terem aumentado depois de ele ter chegado à presidência em 2004, o fato de o criminoso ter uma família extensa - com parentes não apenas na Sérvia, mas na Bósnia-Herzegovina, Macedônia e outros países da região - dificultou a investigação.

Haia

Segundo decisão de uma corte de Belgrado na sexta-feira, Mladic pode ser extraditado para o tribunal de crimes de guerra da ONU em Haia, Holanda, apesar das alegações de sua defesa de que está muito doente para enfrentar um julgamento.

Um advogado disse que Mladic entraria com uma apelação contra a decisão na segunda-feira. Se a apelação for rejeitada, o ex-fugitivo poderia ser extraditado em poucas horas. Segundo seu filho Darko, que o visitou na prisão, se for extraditado seu pai declarará ser inocente das acusações de crimes de guerra, incluindo orquestrar algumas das piores atrocidades da Guerra da Bósnia (1992-1995), conflito que deixou mais de 100 mil mortos e expulsou outro 1,8 milhão de suas casas. Milhares de muçulmanos e croatas foram mortos, torturados ou desalojados para "limpar" a região de não sérvios.

AP
Foto fornecida pelo jornal Politika do ex-comandante do Exército servo-bósnio Ratko Mladic, que foi preso em 26/05/2011

A porta-voz judicial Maja Kovacevic disse que Mladic rejeitou aceitar o indiciamento de Haia durante a audiência de extradição desta sexta-feira. "Ele tem várias doenças crônicas, mas está em condições de ser julgado", disse. De acordo com o filho, Mladic, de 69 anos, sofreu dois derrames durante os 16 anos em que esteve foragido, tem o braço direito parcialmente paralisado e mal consegue falar.

A família do criminoso de guerra pediu que ele seja submetido a um "exame médico independente", supervisionado por técnicos russos, antes de ser extraditado para Haia.

O ex-comandante foi encontrado em um vilarejo no norte da Sérvia , onde vinha vivendo com nome falso. Ele é acusado por crimes de guerra e genocídio durante a Guerra da Bósnia, quando comandava o Exército do líder servo-bósnio Radovan Karadzic. Entre as acusações está a de ter ordenado e coordenado o massacre de até 8 mil meninos e homens muçulmanos na cidade de Srebrenica , em 1995 - maior atrocidade cometida na Europa desde a Segunda Guerra.

Em seus primeiros dias na prisão, Mladic saboreou morangos em sua cela e receberá livros de expoentes da literatura russa. O homem conhecido como "o carniceiro dos Bálcãs" também disse a autoridades que gostaria de visitar o túmulo de sua filha, Ana, que se suicidou aos 23 anos, em 1994, e que está enterrada em um cemitério de Belgrado.

Alem de obras de escritores como Ivan Turgenev e Liev Tolstói, o ex-comandante do Exército servo-bósnio solicitou uma TV para a cela em que está. Segundo fontes da corte sérvia, Mladic está preso em uma cela de 10 metros quadrados, com janela, cama, um caixa-forte, uma cadeira e um guarda-roupa.

Derrame

A primeira audiência na corte de Belgrado, na quinta-feira, foi interrompida para que Mladic passasse por um exame clínico. Imagens da TV sérvia mostraram o general entrando na corte, andando lentamente e usando um boné.

O advogado de Mladic, Milos Saljic, disse que o juiz tentou questionar o general, mas ele estava "em condições físicas e psicológicas complicadas" e incapaz de se comunicar. Segundo Saljic, seu cliente necessita de tratamento médico e "não deveria ser transportado em tal estado".

Mladic se tornou o mais procurado acusado por crimes de guerra na Bósnia após a prisão de Radovan Karadzic em 2008. Segundo relatos na mídia sérvia, um dos braços de Mladic estaria paralisado, possivelmente em consequência de um derrame.

"Ele tem consciência de que está preso, sabe onde está, e diz que não reconhece o tribunal de Haia", afirmou o advogado. O promotor Bruno Vekaric reconheceu que Mladic está tomando vários remédios, mas disse que ele "respondeu muito racionalmente a tudo o que está acontecendo".

Pressão

A Sérvia estava sob intensa pressão internacional para enviar Mladic ao tribunal da ONU para crimes de guerra da ex-Iugoslávia, em Haia. O correpondente da BBC em Belgrado Mark Lowen observa que o governo do presidente sérvio, Boris Tadic, deseja agora que Mladic seja extraditado rapidamente, esperando que sua saída do país evite mais protestos de nacionalistas sérvios que o consideram um herói.

Segundo o presidente sérvio, a prisão de Mladic levou a região e o país para mais perto da reconciliação, e abriu as portas para que a Sérvia se torne país-membro da União Europeia .

AP
Foto divulgada pelo governo sérvio mostra Ratko Mladic, ex-comandante do Exército servo-bósnio, comparecendo à corte de Justiça em Belgrado (26/05/2011)
Tadic rejeitou críticas de que a Sérvia só tomou alguma atitude a respeito da captura de Mladic após enfrentar intensa pressão internacional. "Vínhamos cooperando com Haia (o tribunal) por completo desde o começo do mandato deste governo", disse.

Uma porta-voz de familiares das vítimas do massacre de Srebrenica, Hajra Catic, disse à agência AFP que "após 16 anos de espera, para nós, familiares das vítimas, isso é um alívio". A notícia da captura também foi elogiada por representantes de vários governos, incluindo EUA e Grã-Bretanha, além da ONU, União Europeia, Otan e da ONG Anistia Internacional.

Sem disfarce

Mladic foi capturado na Província de Vojvodina, no começo da quinta-feira, segundo o ministro da Justiça sérvio, Slobodan Homan. Fontes de segurança sérvias disseram que três unidades especiais invadiram uma casa perto do vilarejo de Lazarevo, a cerca de 80 quilômetros de Belgrado. A casa era de um parente de Mladic, e estava sob vigilância havia duas semanas. Mladic estava usando o nome Milorad Komodic.

A rádio sérvia B-92 dise que ele não estava disfarçado - ao contrário de Karadzic, que usava uma longa barba e um rabo de cavalo quando foi capturado em Belgrado, há três anos. O promotor-chefe do tribunal de crimes de guerra da ONU Serge Brammertz comemorou a prisão, dizendo: "Os acontecimentos de hoje mostram que pessoas responsáveis por graves violações da lei humanitária internacional não podem confiar na impunidade."

Importância

O correspondente da BBC em Belgrado Mark Lowen diz que a prisão é incrivelmente importante para os sérvios, já que "muitos sentiam que o destino de seu país estava refém de Mladic e a esperança de ingressar na União Europeia era nula enquanto ele estivesse foragido".

Depois de viver em liberdade em Belgrado por algum tempo, Mladic desapareceu quando o ex-presidente da Iugoslávia Slobodan Milosevic foi preso, em 2001.

Em 2005, o então ministro do Exterior sérvio, Vuk Draskovic, acusou o serviço secreto do país de saber o paradeiro de Mladic, alegação negada pela agência de inteligência. A especulação sobre uma prisão iminente de Mladic aumentou quando Karadzic foi capturado em Belgrado, em julho de 2008. Em 2010, a Sérvia ofereceu uma recompensa de 10 milhões de euros (pouco menos de R$ 23 milhões) por informações que levassem à captura do militar.

*Com AP e BBC

    Leia tudo sobre: sérviaratko mladicguerra dos bálcãssrebrenicabósnia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG