Míssil dos EUA pode ter matado filho de Bin Laden no Paquistão

Por Simon Cameron-Moore ISLAMABAD (Reuters) - Um dos filhos de Osama bin Laden provavelmente foi morto por um míssil lançado pelos Estados Unidos no Paquistão no começo deste ano, informou a Rádio Pública Nacional dos EUA, citando fontes norte-americanas do setor de inteligência.

Reuters |

Um alto funcionário do contraterrorismo dos EUA disse à Reuters nesta quinta-feira que Sa'ad bin Laden pode estar morto, "mas isso não é 100 por cento certo". Ele descreveu o filho do líder da Al Qaeda como um "pequeno jogador com um grande nome".

Não se sabe se Sa'ad bin Laden, com idade na casa dos 20 anos, estava perto do pai quando morreu, afirmou a rádio. Em janeiro, uma fonte da inteligência dos EUA disse que um filho de Bin Laden havia sido solto da prisão no Irã e provavelmente havia ido para o Paquistão.

"Surgiram notícias (de sua morte), mas nenhuma delas foi confirmada ou checada", disse à Reuters uma autoridade da segurança do Paquistão.

Os EUA acreditam que Osama bin Laden esteja escondido no Paquistão. Agências de inteligência chegaram perto do rastro de seu braço direito, Ayman al Zawahri, no Paquistão, mas a pista de Bin Laden está perdida há vários anos.

Embora a Al Qaeda divulgue com frequência mensagens de áudio de Bin Laden, a última fita de vídeo em que ele aparece já tem dois anos e é constante a especulação de que pode ter morrido.

TALIBAN

Um porta-voz do Taliban no Vale do Swat, região do Paquistão que foi alvo de uma ofensiva do Exército do país, três meses atrás, telefonou à Reuters para negar uma informação de militares de que provavelmente tinham ferido o comandante Fazlullah em um ataque aéreo. Fazlullah é o líder taliban no Paquistão.

"Todos os líderes do Taliban estão bem", afirmou o porta-voz Muslim Khan, que em seguida divulgou uma fita de áudio que teria sido gravada por Fazlullah na quarta-feira.

"Os generais e dirigentes paquistaneses promoveram a repressão dos pashtuns e do povo da divisão Malakand (da Província da Fronteira Noroeste) para agradar aos Estados Unidos", diz a voz na fita.

O enviado especial dos EUA para o Afeganistão e Paquistão, Richard Holbrooke, disse aos jornalistas em Islamabad que a prioridade do Exército paquistanês é controlar os vales de Swat e Buner, para torná-los seguros para que cerca de 2,5 milhões de moradores deslocados possam voltar para casa.

A ONU informou que cerca de 400.000 pessoas já voltaram para casa. Holbrooke considerou isso uma boa notícia, mas ressalvou que eles precisam de segurança.

"O norte do Swat ainda é inseguro e os líderes (do Taliban), como Fazlullah, não foram capturados, por isso há um longo caminho pela frente", disse ele, após dois dias de reuniões com líderes paquistaneses.

(Reportagem adicional de Kamran Haider e Jason Subler)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG