Mísseis do Paquistão matam afegã e três crianças

Por Elyas Wahdat KHOST, Afeganistão (Reuters) - Mísseis vindos do Paquistão atingiram o leste do Afeganistão matando uma mulher e três crianças, em um de três ataques simultâneos durante a noite, disseram autoridades afegãs neste domingo.

Reuters |

As tensões aumentaram entre os países vizinhos com afirmações do Paquistão de que 11 de seus soldados foram mortos em um ataque aéreo de forças norte-americanas operando a partir do Afeganistão, no dia 10 de junho. O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, ameaçou cinco dias depois enviar tropas para além das fronteiras para capturar militantes do Taliban no Paquistão.

Mísseis lançados do território paquistanês, a cerca de 300 metros de distância, atingiram uma vila próxima à cidade oriental de Khost no sábado, nas proximidades de uma grande base da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), matando uma mulher e três crianças, segundo o governador da província Arsala Jamal. Oito pessoas foram feridas no ataque, a maioria mulheres.

'Foi tarde da noite. Eu estava rezando na mesquita quando de repente o som das explosões começou', disse Aziz Khan, um motorista que mora na vila.

'Eu parei de rezar e corri para o lado de fora... Eu vi que um dos mísseis havia atingido a minha casa. Lá dentro, eu encontrei três das minhas crianças mortas. Minha mulher e dois filhos estavam feridos. Minha mulher havia feito a comida e reunido as crianças para comer quando o míssil caiu a cerca de 10 metros deles. As crianças do meu irmão e a mulher dele também estavam lá. Quatro dos filhos dele e a mulher também ficaram feridos'.

No mesmo horário, três bombas de artilharia lançadas do Paquistão caíram no acampamento do Exército afegão e outras três próximas à base da OTAN na província de Paktika, segundo a aliança. Não houve vítimas, mas a OTAN retornou o fogo.

Os militares paquistaneses negaram ter disparado contra Paktika e afirmaram que os ataques podem ter sido feitos por militantes. Um porta-voz disse desconhecer incidentes em Khost ou Kunar.

Um total de 27 mísseis foram disparados do Paquistão para as províncias afegãs de Paktika e Khost, segundo o Ministério da Defesa do Afeganistão.

'O Ministério da Defesa condena esse ato e pede à República Islâmica do Paquistão em primeira instância para prevenir tais ataques ao povo indefeso afegão a partir do solo paquistanês', disse o porta-voz do ministério General Mohammad Zaher Azimi.

As tropas afegãs contra-atacaram a partir de Khost e Paktika e atingiram o Paquistão.

O porta-voz paquistanês Major General Athar Abbas disse que forças internacionais e militantes entraram em confronto no lado afegão da fronteira e forças paquistanesas também atiraram contra militantes na fronteira.

'Não, não é possível. Não é artilharia nossa, pode ter sido artilharia dos militantes, mas não a partir das nossas posições', disse Abbas.

Embora Afeganistão e Paquistão sejam aliados dos Estados Unidos, as precárias definições nas fronteiras são uma grande fonte de desconfiança.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG