prova de fogo para OEA - Mundo - iG" /

Missão em Honduras é prova de fogo para OEA

A chegada de uma missão oficial da Organização dos Estados Americanos (OEA) a Honduras, nesta quarta-feira, é vista por representantes do governo brasileiro como uma prova de fogo para a solução do impasse político no país, que já dura mais de cem dias.

BBC Brasil |

Este será o primeiro encontro oficial entre o secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, e o presidente interino de Honduras, Roberto Micheletti, desde que o presidente eleito, Manuel Zelaya, foi expulso do país.

Os dois se encontraram de forma secreta há alguns dias, em uma base militar em território hondurenho - mas não chegaram a discutir a restituição de Zelaya.

"No momento todas as fichas estão apostadas no encontro dessa quarta-feira", diz um diplomata brasileiro. "Há sinais de que estamos mais perto de um acordo e essa missão da OEA é certamente uma prova de fogo", diz.

Insulza chega a Tegucigalpa acompanhado por embaixadores da OEA, entre eles o representante brasileiro na instituição, Ruy Casaes. A missão conta ainda com representantes diplomáticos de dez países, sendo cinco chanceleres.

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, não acompanha a missão em Tegucigalpa. Segundo o Itamaraty, a participação do chanceler brasileiro "poderia se mostrar inapropriada", pois o Brasil está "diretamente envolvido" desde que Zelaya chegou embaixada brasileira.

"Preferimos deixar a missão para os países considerados mais neutros sob o ponto de vista do governo interino, como Costa Rica e El Salvador", disse um diplomata.

'Inegociável'

A expectativa do governo brasileiro e também da OEA é de que o Plano Arias, principal proposta de acordo sobre a mesa, possa ser modificado para facilitar um acordo.

Há pontos do plano, porém, que são considerados "inegociáveis". Em entrevista à BBC Brasil, o embaixador Casaes disse que a OEA descarta abrir mão da restituição de Zelaya ao poder, antes das eleições. Outro ponto essencial, segundo ele, é a anistia política.

A avaliação do governo é de que um "novo Plano Arias" depende basicamente de dois fatores: de uma maior predisposição de Micheletti em sair do impasse - pois estaria perdendo apoio interno - e também da "habilidade política" de Insulza.

"Estamos em um ponto das negociações em que a OEA tem papel crucial. Caberá ao Insulza saber costurar um acordo que seja palatável para as duas partes", diz uma fonte do Itamaraty, que considera o secretário-geral da OEA um político "extremamente habilidoso".

Além disso, também é forte no Itamaraty a percepção de um "recuo" do governo interino, como por exemplo, no fato de Micheletti ter admitido o "erro" de expulsar Zelaya do país e ter suspendido o estado de sítio.

Uma das preocupações do governo brasileiro é com a proximidade das eleições presidenciais em Honduras, marcadas para o dia 29 de novembro.

Sem um acordo nas próximas semanas, o novo presidente eleito não será reconhecido pela comunidade internacional - ou pelo menos, por um grande número de países, entre eles o Brasil -, colocando Honduras em um estado de total isolamento.

'Afronta'

Há cerca de dez dias, uma missão precursora da OEA foi impedida de entrar em Honduras, mesmo depois de receber o aval do governo interino.

O episódio foi considerado uma "afronta" à instituição, segundo um representante do governo brasileiro.

De acordo com essa mesma fonte, a viagem de Insulza a Tegucigalpa estava condicionada a uma melhoria do cenário político em Honduras, ou seja, a um ambiente mais propício a um acordo.

"O objetivo principal é um acordo em Honduras. Mas estamos falando também do prestígio da OEA, que não quer se ver desmoralizada", diz o diplomata.

O embaixador Ruy Casaes disse que o papel da Organização também está "em jogo" com essa missão. Na semana passada, Casaes disse que a OEA estava "caminhando cada vez mais para um absoluto estado de irrelevância" no caso hondurenho.

Leia também:

Leia mais sobre Honduras

    Leia tudo sobre: hondurasmanuel zelaya

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG