Missão da OEA chega a Honduras no dia 11 para dialogar com Governo

Washington, 7 ago (EFE).- A missão da Organização dos Estados Americanos (OEA) integrada pelos chanceleres de Argentina, Canadá, Costa Rica, Jamaica, México e República Dominicana chegará nesta terça-feira, ao meio-dia, a Honduras, informou hoje o organismo regional.

EFE |

A missão de chanceleres estará acompanhada pelo secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, e seu objetivo é persuadir o Governo de Roberto Micheletti a aceitar o chamado Acordo de San José, promovido pelo presidente da Costa Rica, Óscar Arias.

A delegação estará composta pelo secretário de Estado do Canadá para Assuntos Exteriores no continente americano, Peter Kent; pelos chanceleres da Argentina, Jorge Taiana; da Costa Rica, Bruno Stagno; da Jamaica, Kenneth Baugh; do México, Patricia Espinosa; e da República Dominicana, Carlos Morales Troncoso.

Além de Insulza, representarão a OEA em Honduras o secretário de Assuntos Políticos, o boliviano Víctor Rico, e o representante do organismo interamericano no Uruguai, John Biehl del Río, que ficou no lugar do titular da instituição regional no processo de mediação de Arias em San José (Costa Rica).

Em breve comunicado, a OEA disse que a comissão visitará Honduras na próxima semana para "promover o restabelecimento da ordem democrática na nação centro-americana", que atravessa uma profunda crise política por causa do golpe de Estado de 28 de junho que derrubou e expulsou do país o presidente Manuel Zelaya.

A missão de chanceleres tentará que o Governo de fato de Honduras assine o Acordo de San José, que contempla um Governo de unidade e reconciliação nacional liderado pelo presidente deposto, a antecipação das eleições, uma anistia geral para os crimes políticos e uma comissão da verdade, entre outros aspectos.

Insulza disse que buscará um "adequado equilíbrio" na composição da missão de chanceleres, para que integre membros dos diferentes grupos regionais da América Latina, e também não queria que mais de seis ministros de Exteriores viajassem a Honduras.

O novo Governo hondurenho disse que está aberto a receber a missão de chanceleres da OEA.

Porém, destacou a necessidade de que seja "imparcial" e fixou como exigência que não inclua nenhum chanceler dos países da Aliança Bolivariana para as Américas (Alba), algo que o organismo parece ter levado em conta na hora de confirmar a missão de alto nível. EFE cae/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG