Ministros têm reunião prévia à Cúpula da Petrocaribe

Maracaibo (Venezuela), 12 jul (EFE).- Representantes dos 17 países da Petrocaribe, assim como da Guatemala e da Costa Rica, participaram hoje na cidade venezuelana de Maracaibo da 4ª reunião extraordinária de ministros, prévia à reunião presidencial deste domingo, que terá como assunto principal os altos preços do petróleo.

EFE |

Neste sábado, as deliberações estiveram centradas em três aspectos: as conseqüências da alta dos preços do petróleo para os países da região, um balanço do funcionamento deste acordo e a incorporação da Guatemala.

A adesão da Guatemala gerou expectativas neste encontro, assim como a presença de uma comissão da Costa Rica como observadora para uma possível incorporação ao mecanismo, que desde sua criação em 2005 a pedido de Venezuela ganhou alguns membros.

"A entrada da Guatemala é um sinal importante", declarou o ministro da Energia e Petróleo e presidente da estatal Petróleos da Venezuela S. A. (PDVSA), Rafael Ramírez.

"Para nós está muito claro que o mecanismo da Petrocaribe ajuda os países a amortecer as conseqüências do aumento do preço do petróleo e dos alimentos", afirmou o presidente guatemalteco, Álvaro Colom, segundo declarações divulgadas pela rede de televisão "Telesur".

Por outra parte, o ministro da Energia da Venezuela, país que exerce a secretaria executiva da Petrocaribe, ressaltou que este mecanismo de integração energética gerou um grande "nível de confiança".

"Espera-se a chegada da Costa Rica como observador e esperamos que se incorporem mais nações", comentou.

Ramírez assegurou que, graças a Petrocaribe, são fornecidos 200 mil barris diários de petróleo ou de seus derivados aos países-membros do bloco e, ao mesmo tempo, se desenvolveram infra-estruturas para armazenamento e transporte de combustíveis.

Ele indicou que no encontro de Maracaibo farão um balanço sobre o desenvolvimento deste convênio que, segundo ele, estabeleceu um sistema de provisão para ajudar os países pobres, entre outras conquistas.

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, inaugurará amanhã a 5ª Cúpula de Chefes de Estado da Petrocaribe, que também é integrada por Antígua e Barbuda, Bahamas, Belize, Cuba, Dominica, Granada, Guiana, Haiti, Jamaica, Nicarágua, República Dominicana, São Cristóvão e Névis, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas e Suriname.

Santa Lúcia, embora seja fundadora de Petrocaribe, nunca assinou o acordo, mas o atual Governo, de um partido diferente ao que havia em 2005 na ilha, anunciou esta mesma semana que estuda seriamente fazê-lo e que enviará seu ministro da Indústria e Comércio a Maracaibo com esse fim. EFE lb/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG