Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Ministros do Mercosul pedem reforma de organismos de financiamento

Costa do Sauípe (Brasil), 15 dez (EFE).- Os ministros de Economia e da Fazenda dos países do Mercosul pediram hoje a reforma dos organismos multilaterais de crédito e expressaram seu apoio ao Brasil e Argentina para que façam a voz da América Latina ser ouvida no Grupo dos Vinte (G20, que reúne os países mais ricos e os principais emergentes).

EFE |

"As instituições de Bretton Woods foram criadas para controlar as economias emergentes, não os países desenvolvidos", disse o ministro da Fazenda, Guido Mantega, durante a reunião realizada hoje na Costa do Sauípe, na Bahia.

Mantega afirmou que é possível avançar na regulação financeira internacional, mas se mostrou cético com relação às possibilidades de iniciar uma nova estrutura financeira multilateral.

O Brasil está encarregado junto com o Reino Unido e a Coréia do Sul de trabalhar dentro do G20 na reestruturação das novas regras do setor financeiro e na reforma do Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM).

Mantega explicou que na reunião do G20 realizada em meados de novembro, em Washington, os países desenvolvidos se mostraram dispostos a dar o sinal verde para o Brasil participar da discussão da reforma das instituições de Bretton Woods (FMI e BM).

Mas o Brasil argumentou que mesmo assim não haveria correlação de forças entre as nações industrializadas e as que estão em desenvolvimento, explicou Mantega a seus colegas do Mercosul.

O titular de Economia argentino, Carlos Fernández, se mostrou menos entusiasta que Mantega sobre o peso específico da região na criação de uma nova arquitetura financeira internacional.

"Sou mais cético que Guido (Mantega). A reação dos países desenvolvidos foi muito limitada (...) a reação do FMI é mais para não ficar preso na linha do trem do que uma reação lógica para ajudar os países em desenvolvimento", disse.

Já a Venezuela enfatizou a necessidade de construir uma arquitetura financeira baseada em critérios sociais, porque as instituições de Bretton Woods são incapazes de resolver os problemas dos países emergentes.

Também pediu a criação do Banco do Sul para dar sustento às políticas sociais nos países da região, e o estabelecimento de uma agência econômica regional que atenda às necessidades sociais. EFE mf/mh

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG