Ministros da UE iniciam reforma da PAC; preço de alimentos é o maior desafio

Maribor (Eslovênia), 24 mai (EFE).- Os ministros de Agricultura da União Européia (UE) começarão a debater a proposta de revisão da Política Agrícola Comum (PAC) e seu papel para solucionar o encarecimento dos alimentos, em reunião não decisória que será realizada entre amanhã e terça-feira da semana que vem.

EFE |

O Conselho de ministros de Agricultura inicia amanhã, na Eslovênia, a reunião informal semestral, que servirá para que os países comecem a se posicionar sobre o projeto de reforma da PAC, que pretendem concretizar antes do final deste ano.

Os ministros debaterão sobre como a agricultura européia deve enfrentar os "desafios" como a escassez de água e, sobretudo, a crise pela falta de alimentos e sua conseqüente alta de preços, segundo o documento apresentado pela Presidência rotativa da UE, atualmente ocupada pela Eslovênia.

A revisão da PAC terá como ênfase a carência alimentícia, que provocou altas dos cereais e a de produtos lácteos - de 80% e 50%, respectivamente, em 2007 -, segundo o texto da Presidência, que prevê que os preços continuarão variando no futuro.

"Se queremos resolver o problema do fornecimento de alimentos, a produção agrícola terá de aumentar substancialmente", acrescenta o documento, que questiona se é preciso deixar de lado ou não a obtenção de biocombustíveis.

Entre as razões da escassez de alimentos, a Presidência refere-se ao aumento da demanda de grandes países emergentes, tais como: China, Brasil e Índia, que cada vez compram mais carne.

Essa alta beneficiou os agricultores, mas causou problemas "graves" aos criadores de gado.

Os ministros analisarão também o papel dos biocombustíveis na alta de preços dos alimentos e, neste sentido, a Presidência se referiu ao crescimento do cultivo de milho para bioetanol nos Estados Unidos.

A Comissão Européia (CE, órgão executivo da UE) propôs na reforma eliminar a ajuda concedida ao cultivo de beterraba ou de cereal para fabricar biocombustíveis. EFE ms/fh/fb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG