Cairo, 26 nov (EFE).- Os ministros árabes de Relações Exteriores iniciaram hoje uma reunião extraordinária para analisar as possibilidades de conseguir a reconciliação entre as distintas facções palestinas e as negociações de paz com Israel.

O encontro foi inaugurado pelo secretário-geral da Liga Árabe, Amre Moussa, com um discurso no qual também ressaltou que a agenda da reunião estará centrada no "injusto bloqueio imposto por Israel à Faixa de Gaza e a lamentável situação humanitária em que vivem seus habitantes".

Poucas horas antes, o porta-voz da Liga Árabe, Hisham Yusef, afirmou à imprensa que os participantes da reunião estudarão, além disso, como apoiar o Egito em sua mediação entre as facções palestinas.

"Os árabes estão preocupados com as divisões que afetam os palestinos e as conseqüências que elas podem ter sobre a luta do povo palestino contra a 'ocupação israelense'", ressaltou o responsável pan-árabe.

Está previsto que, nas reuniões de hoje, a delegação palestina apresente um relatório sobre o andamento das negociações de paz palestino-israelenses.

Yusef também informou que os ministros estudarão os passos necessários para "ajudar o povo palestino a enfrentar as contínuas práticas israelenses", sobre o bloqueio imposto por Israel à Faixa de Gaza.

Segundo sua opinião, os países árabes "não fizeram os esforços necessários" ao tratar do bloqueio a Gaza, "que aumentou o sofrimento diário do povo palestino".

Por sua parte, o ministro sírio de Relações Exteriores, Walid al Moalem, declarou pouco antes do início da reunião que ele e seus colegas árabes "estudarão diversas maneiras de encorajar os irmãos palestinos a retomar o dialogo".

Nesse sentido, assinalou que seu país apóia a todas as facções palestinas, incluídos os grupos rivais Fatah e Hamas, que encoraja a "trabalhar pela unidade palestina".

A disputa entre os palestinos começou em junho de 2007, quando o xiita Hamas tomou pelas armas o controle da faixa de Gaza, após vários dias de confrontos contra os sunitas do Fatah. EFE hh/jp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.