Ministro venezuelano nega internação de Chávez

Segundo jornal, líder estaria em más condições; titular da Comunicação reage dizendo que jornalistas tinham de ser internados em manicômio

iG São Paulo |

O ministro das Comunicações da Venezuela, Andrés Izarra, negou que o presidente Hugo Chávez tenha sido internado em caráter de urgência e disse que é preciso internar, "mas em um manicômio", os jornalistas do El Nuevo Herald de Miami, que divulgou a notícia.

"Os que devem ser internados são os jornalistas do Nuevo Herald, mas em um manicômio. #ChavezLosTieneLocos", escreveu Izarra em sua conta no Twitter.

Na quarta-feira à noite, o Nuevo Herald publicou, com base em fontes supostamente envolvidas no caso que não foram reveladas, que Chávez teria sido internado na terça-feira no Hospital Militar de Caracas em más condições.

"Seu estado geral está comprometido. Chegou em situação bastante grave e foi trazido de emergência", revelaram as fontes ao jornal de Miami.

Chávez voltou há uma semana à Venezuela , após se submeter em Cuba a mais um ciclo de quimioterapia contra um câncer. No domingo, em um telefonema transmitido pela TV estatal venezuelana, o presidente garantiu que está "saudável" e que a quimioterapia não lhe causa efeitos colaterais.

Em 23 de setembro, o Nuevo Herald afirmou, citando o ex-embaixador dos EUA na Organização dos Estados Americanos Roger Noriega, que Chávez não estaria reagindo bem à quimioterapia .

A intervenção por telefone no domingo aconteceu após uma ausência pública de vários dias que levantou dúvidas sobre a saúde de Chávez.

Os boatos sobre o agravamento do estado de saúde de Chávez ganharam força após a decisão do presidente de cancelar seu encontro com o líder iraniano, Mahmmud Ahmadinejad, previsto para o sábado.

Chávez, que não permite que outros divulguem informações sobre seu estado de saúde, planeja concorrer à reeleição em 7 de outubro de 2012 , para um terceiro mandato de seis anos.

O líder venezuelano, de 57 anos, foi operado de um tumor maligno em junho em Cuba, onde recebeu nos meses de julho e agosto os dois primeiros ciclos de quimioterapia.

*Com AFP

    Leia tudo sobre: venezuelachávezcâncerquimioterapianuevo herald

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG