Islamabad, 12 jan (EFE).- O ministro do Interior paquistanês, Rehman Malik, prometeu hoje apresentar no Parlamento uma lista com os responsáveis da onda de violência registrada nos últimos dias na cidade de Karachi, que caucou a morte de pelo menos 40 pessoas.

Malik disse que a situação está voltando à normalidade, mas disse que certos "elementos", aos quais não deu nome, tentam desestabilizar o país e eximiu de culpa os diferentes partidos políticos locais, segundo a rede privada "Dawn".

Pelo menos 40 pessoas morreram desde o início do ano por causa de assassinatos seletivos, confrontos e tiroteios entre diferentes grupos mafiosos e também com as forças de segurança em vários bairros da cidade.

A metrópole, habitada por mais de 14 milhões de pessoas e com presença de comunidades numerosas de todas as províncias paquistanesas, é cenário de frequentes tensões étnicas promovidas por grupos criminosos que têm vínculos com diversos partidos políticos.

Nesta segunda-feira, uma manifestação no bairro de Lyari, considerado refúgio dos clãs mafiosos mais importantes, para protestar contra operações recentes das forças de segurança concluiu com alguns distúrbios, mas depois não houve mais novos incidentes.

Além disso, as legendas políticas que lideram os Governos da região sudeste de Sindh, à qual pertence Karachi, e da cidade portuária decidiram uma trégua para pôr fim a suas disputas. EFE igb/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.