Ministro israelense propõe seqüestro de Ahmadinejad para julgamento em Haia

Rafi Eitan, ministro israelense da Previdência, membro do gabinete de segurança e ex-agente do Mossad, propôs nesta terça-feira seqüestrar e levar à Corte Penal Internacional de Haia o presidente iraniano, Mahmud Ahmadinejad.

AFP |

"É preciso seqüestrar e levar ao Tribunal Internacional de Haia o presidente iraniano, que declara - como Hitler - a necessidade de exterminar o povo israelense", disse Rafi Eitan à rádio militar.

"Eu penso que o Mossad (serviço secretos israelense) tem a capacidade de fazê-lo, mas isto diz respeito a todo o mundo e não é um assunto exclusivamente nosso", acrescentou o ministro.

"No plano logístico não tenho conselhos para esta operação; deixo aos mais jovens", declarou Rafi Eitan, de 81 anos.

Ex-chefe de operações do Mossad, Eitan participou em maio de 1960 na captura de Adolf Eichman em Buenos Aires.

Eichman, um dos principais executores da "solução final", o genocídio de judeus cometido pelos nazistas durante a II Guerra Mundial, foi levado clandestinamente para Israel, onde foi julgado, condenado a morte e enforcado.

jlr/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG