O ministro do Esporte, Orlando Silva, afirmou nesta quinta-feira em Copenhague que está ainda mais otimista e entusiasmado com a candidatura do Rio de Janeiro para sediar a Olimpíada de 2016 depois de encontros dos representantes brasileiros e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com membros do Comitê Olímpico Internacional (COI). Os contatos e as conversas que mantivemos com a comunidade olímpica mostraram que ela compreendeu e incorporou a mensagem do Rio, dos Jogos como um instrumento para o desenvolvimento do Brasil, para a transformação da cidade e como estímulo para desenvolvimento social através do esporte, afirmou o ministro, em entrevista coletiva a jornalistas brasileiros e estrangeiros.

Já o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, que, segundo a assessoria da candidatura do Rio, deve participar da apresentação final diante do COI na sexta-feira, foi mais cauteloso e preferiu dizer que ainda é necessário "trabalhar" pela cidade.

"A votação ainda não está decidida. Não há dúvida de que o projeto Rio-2016 é muito competitivo, mas a dinâmica da votação, em rodadas, faz com que o resultado seja pouco previsível", disse.

Meirelles rebateu as críticas de que o Brasil não deveria gastar com esta campanha e com a realização de uma Olimpíada.

"Não há dúvidas que o país tem muitas prioridades e que esta é uma avaliação muito importante. Mas governar é decidir entre prioridades e, para isso, é necessário definir o custo-benefício", argumentou.

"Este projeto traz benefícios em diversas áreas, extrapola o campo do esporte. E o custo-benefício da Olimpíada é muito favorável para o país", disse Meirelles.

Paulo Coelho
Além do "corpo-a-corpo" com os membros do COI, a candidatura do Rio tem apostado em outras frentes para conseguir a vitória nesta sexta-feira.

O escritor Paulo Coelho, um dos membros mais assediados da delegação, participou de um almoço nesta quinta-feira com as mulheres de alguns dos votantes do Comitê.

"Fui como carioca e fiz uma promessa pública de que se eu estiver vivo e o Rio for a sede da Olimpíada, que eu vou plantar uma bananeira na praia de Copacabana em 2016. Já fiz as contas e vou ter 70 anos na época", disse.

Atletas brasileiros com medalhas olímpicas e mundiais, como o tenista Gustavo Kuerten, o velejador Torben Grael, o nadador César Cielo e a ginasta Daiane dos Santos, também fazem parte da delegação da candidatura Rio-2016 em Copenhague.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.