Ministro das Finanças quer assumir como premiê no Japão

Naoto Kan anunciou nesta quarta-feira a intenção de substituir Yukio Hatoyama

EFE |

Tóquio - O ministro das Finanças do Japão, Naoto Kan, anunciou nesta quarta-feira sua candidatura para substituir Yukio Hatoyama no cargo de primeiro-ministro do país. Segundo fontes oficiais citadas pela agência "Kyodo", é pouco provável que Kan vá neste fim de semana à cúpula de ministros de Finanças e governadores de bancos centrais do G20 em Busan (Coreia do Sul), já que participará da escolha interna do novo líder do Partido Democrático (PD) nesta sexta-feira.

Kan, que também ocupa o cargo de vice-primeiro-ministro, anunciou formalmente sua intenção de ocupar a Presidência do partido de Governo. A imprensa japonesa considera que Kan é o candidato melhor posicionado para substituir Hatoyama à frente do PD. Se for confirmado, seu nome seria submetido à votação da Dieta (Parlamento japonês), provavelmente na próxima segunda-feira, para se tornar o novo primeiro-ministro. Kan, de 63 anos e um dos fundadores do PD, é um aliado próximo de Hatoyama e, desde a saída em janeiro do titular anterior de Finanças, Hirohisa Fujii, foi um dos homens fortes do Governo. Foi dele a responsabilidade pela aprovação do orçamento e de diminuir problemas como a deflação e a força do iene perante outras moedas, apesar de sua pouca experiência em temas econômicos.

Ichiro Ozawa, que também abandonará o posto de secretário-geral do PD após a renúncia de Hatoyama, é considerado o homem forte do partido governamental. Segundo a imprensa, ele poderia influenciar de maneira determinante na escolha de um novo líder do PD, mostrando preferência pelo nome de Kan frente a outros candidatos, como Seiji Maehara (ministro de Transporte), ou Katsuya Okada (titular de Exteriores). Ozawa se aliou a Kan durante as eleições gerais de 2003, nas quais o atual vice-primeiro-ministro enfrentou o carismático Junichiro Koizumi, do Partido Liberal-Democrata (PLD), que venceu o pleito e manteve a maioria parlamentar.

    Leia tudo sobre: iGjapãopolítica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG